Que data de eventos

Como se recordará acerca de su evento, por favor hacerlo en cuatro fases: Ventas, Pre-Evento, evento y post-evento. A pesar de que usted o su contacto real in situ ser que haya trabajado con la misma persona por varias fases, por favor evalúe su desempeño durante cada fase por separado. Data de início de atividade desse estabelecimento no Município de Vitória. 804: Data de encerramento de atividades dos estabelecimentos no Município de Vitória. Para inscrições realizadas através dos eventos 802 e 803.Data de registro do respectivo instrumento alterador que transferiu o estabelecimento para fora de Vitória. Lo que les ha ayudado un poco a las ventas, fue los trajes para bautizo, al permitirse llevar este sacramento sin aglomeración de personas. Muchos de ellos tienen la esperanza de que el virus disminuya, para que se retomen los eventos, y ver si en diciembre que es otra de las temporadas buenas para este sector, repunten las ventas. A data limite para apresentação do Calendário de Eventos Corporativos para o ano de 2018 na CVM/B3 está se aproximando. As companhias abertas listadas nos segmentos de governança corporativa da B3 devem divulgar seus calendários por meio do sistema Empresas.net até 11/12/2017. Como resultado da última revisão do Regulamento do Novo Mercado aprovada pela CVM […] Por eso es que tantos planeadores de eventos y departamentos de marketing como un todo continúan usando toda una panoplia de diferentes herramientas para gestionar la data de sus eventos. Sin embargo, de todas las herramientas allí afuera, hay una que permanece con plena vigencia, y es la confiable hoja de cálculo. El término evento proviene del latín eventus y, de acuerdo al diccionario de la Real Academia Española (RAE), tiene tres grandes usos.En varios países latinoamericanos, un evento es un suceso de importancia que se encuentra programado.Dicho acontecimiento puede ser social, artístico o deportivo. Por ejemplo: “El evento de esta noche enfrentará a los dos mejores equipos del torneo ... Los eventos están disponibles por un tiempo limitado y son ideales para conseguir más recompensas ¡y pasárselo fenomenal! Cuando un evento está activo, se muestra con un contador en la parte inferior de la pantalla de inicio, que te muestra la duración del evento. La marca de tu empresa engloba la totalidad de aspectos que el consumidor percibe de ti: creación de tu logo, diseño web, trato al cliente, infraestructuras, materiales, etc. Todos estos son ingredientes fundamentales en el branding para empresas. Así que este tipo de eventos se posicionan como un pilar más de tu estrategia de branding ... Para facilitar a busca para quem procura atividades online, confira uma lista de eventos que vão acontecer nesta semana de setembro. 1 – Treinamento BlackBelt: Spin Selling Data: dias 7, 14, 21 ... Podemos definir varios tipos de eventos en HTML: Hemos dejado esta sección para el final del curso puesto que en HTML no podemos hacer más que definirlos, ya que para programarlos es necesario usar el lenguaje de programación JavaScript. A continuación describiremos los atributos usados para asignar eventos en HTML:

Anime Portugal

2013.10.12 18:16 DemCats Anime Portugal

Subreddit sobre anime e manga.
[link]


2020.09.18 02:50 soytucuenta Este sub me deprime. Ya nadie habla de la HYPER, del choricet, del peroniavirus, de como hacer la ciudadanía europea o de como entrar tus dólares.

Se pusieron todos tristes por el futuro de argenzuela y ahora nadie pasa data útil de verdad. Nadie pasa la receta para un buen disco de meo. Nadie avisa que llueve(boludo). No sé cómo van a crecer mis hijos sin tanta superioridad racial. van a ver momos? Van a reírse de la página del cosito del visto? Voy a citar eventos que llevaron a la decadencia del acj:
Cuando acusaron a milei de planero
Cuando pusieron lo de las fotos
La ausencia de galacticlinx
Cuando dijeron taringa y mufaron el sub
Cuando 2 aviones impactaron con las torres gemelas
Cuando la hyper me dejó por otro hombre (igual se que va a venir)
Cuando cancelaron el robot de alberso Fernández
Bueno indignante todo lo que hacen estos kukas, se meten con la gente de bien como los de argenpol que denunciaban a los judíos. Al final cagaron el sub los kukas, les molesta que uno escriba PIJA en el título y todo.
Estoy hasta la PIJA LIBEREN ACJ.
submitted by soytucuenta to Argentinacirclejerk [link] [comments]


2020.09.16 04:38 Gogoboy1233 Pergunta para quem luta ou quem já lutou

Boa noite, colegas. Gostaria de saber se é necessário uma equipe para que eu possa realizar lutas em algum evento de muay thai e como eu posso fazer a inscrição.(não no momento em que estamos vivendo de pandemia) Meu antigo mestre sempre prometeu me colocar em alguma luta, mas o assunto sempre morria, um dia ele dizia que tava marcando uma luta pra mim e depois não dizia mais nada e quando eu perguntava ele estipulava uma data(aleatória aparentemente)
submitted by Gogoboy1233 to PergunteReddit [link] [comments]


2020.09.13 03:39 Expos1104 Preço do Series SX no Brasil

É realmente bem estranho que até mesmo o Chile já tenha data e preço confirmados e nós aqui do Brasil não , isso deixa muita gente frustrada com a Xbox Brasil .
Mas eu tenho uma teoria de quando essas informações serão anunciadas : o Xbox Series S junto com o preço e data de lançamento seriam anunciados num evento que aconteceria nessa semana (entre 13/09 e 20/9) mas por causa de um vazamento ele foi cancelado e anunciaram pelo twitter mesmo .E se o XboxBr estivesse planejando procurar a melhor oferta até a data do evento pra ter certeza de que realmente não havia nenhum preço melhor , mas por causa do vazamento eles foram pegos de surpresa? Por isso acho que os preços no Brasil serão anunciados nessa semana , como era o plano original.
(Espero muito estar certo , não aguento mais esperar)
submitted by Expos1104 to XboxBrasil [link] [comments]


2020.09.11 23:59 Pretty-Gap7378 Doença mental

Sinto que algo não está bem. Sinto um sufoco no peito que não me deixa respirar, um nó na garganta que não se desfaz. Tento, de todas as formas e feitios, encontrar o culpado desta dor que me aflige e sufoca a alma. Após desabafos, fármacos e mais fármacos, concluo que a culpa reside em mim. Durante anos carrego-a como se fosse uma sombra. Persegue-me a cada passo, conseguindo-a ignorar apenas na escuridão. Se há reflexão tenho vindo a fazer ao longo dos meus miseráveis 24 anos de existência é a de que as minhas tentativas de encontrar a culpa do meu sofrimento não me levaram a lugar nenhum, se não antes a piorar a minha própria dor.
Vou-vos contar uma história. Nasci numa pequena aldeia. Apesar de sempre ter vivido nessa pequena e pacata aldeia à beira-mar plantada, nunca senti que aquela fosse a minha casa. Isto porque, em parte, cresci e morei até aos 3 anos de idade numa casa muito pobre, mas cheia de amor, a casa da minha querida avó Maria, numa outra pequena aldeia no campo. Maria do Carmo, de seu nome, é a típica avó que surge nos filmes da Disney, uma senhora idosa e frágil, mas de um coração e bondade enormes. Tal como nos contos de fadas, a minha avó também me ensinou a ser bondosa, respeitar o outro, ter compaixão, a partilhar e sobretudo a amar. Fui muito feliz naquele casebre, onde brincava desde o nascer ao por do sol na natureza, convivia com os animais da quinta e ajudava nas pequenas tarefas que me faziam sorrir.
Com os 3 anos feitos, tinha chegado a altura de entrar no jardim de infância. A adaptação foi fácil, as funcionárias eram carinhosas e faziam-me lembrar de alguma forma a educação e valores transmitidos pela minha avó. Tudo mudou quando chegou a altura de entrar na escola primária. Até aquela data, só conhecia amor, carinho e bondade. Tudo se desmoronou depois, o meu conto de fadas havia terminado. A escola primária localizava-se precisamente na pequena aldeia onde nasci. Aqui as pessoas eram frias e mesquinhas e, tal como os abutres, esperavam sempre a próxima vítima para se poderem alimentar da sua dor. Não possuíam qualquer tipo de cultura e a sua vida insignificante resumia-se a um consumismo desenfreado que lhes trazia, presumo eu, algum tipo de alívio à sua triste existência.
Fui obrigada, por motivos profissionais quer da minha mãe, que trabalhava longe, quer do meu pai, que fazia turnos rotativos, a passar muito mais do que as 8 horas de escola a conviver com aquela gente tóxica. Aos 6 anos de idade, após alguns meses naquela escola e a conviver 12 horas por dia com aquela gente, vim a desenvolver uma depressão infantil. Com muita psicoterapia, consegui ultrapassá-la, mas as sequelas ficaram até hoje.
Ainda hoje culpo a minha mãe por ser ausente e egocêntrica, talvez exagere nas acusações, uma vez que esta nunca me abandonou efetivamente, mas culpo-a por me ter deixado naquele ambiente hostil, que mudou até hoje a minha personalidade e me deixou marcas para sempre.
Este é, possivelmente, o evento mais traumático pelo qual já passei até hoje e sei que provavelmente nunca irei conseguir ultrapassa-lo verdadeiramente. Hoje, em retrospetiva, percebo que a minha depressão se deveu ao facto de sofrer abusos psicológicos por parte das pessoas com quem passava a maior parte do meu tempo e por me sentir indefesa, já que os meus pais estavam demasiado longe para me protegerem. Vou contar-vos um exemplo, durante o intervalo escolar, era hábito as mães dos alunos irem à escola dar os lanches aos seus pequenotes (sim, ouviram bem), elas não tinham trabalho, então dedicavam-se inteiramente a tarefas mundanas para ocupar o seu tempo. Por incrível que vos pareça, eu era a única criança naquele intervalo que não tinha um pai ou avó por perto. Lanchava completamente sozinha, a um canto, como uma pessoa sem amigos. Além destes episódios, nunca tive sorte com as pessoas que me rodeavam que, apesar de crianças, também elas já haviam crescido naquele ambiente tóxico e mesquinho e conseguiam ser realmente más. Uma vez, obrigaram-me a pisar cocó de cão sob a ameaça que iriam dizer aos meus pais que eu me tinha despido em frente a um rapaz da escola (algo que constituía obviamente uma mentira) e eu, indefesa, simplesmente cedi. São feridas que nunca saram, algo que não se explica.
O ambiente familiar também não ajudava, o contraste de uma casa alegre e feliz, a dos meus avós, com a dos meus pais era enorme. Contextualizando, irei descrever-vos brevemente a minha mãe: uma senhora aparentemente simpática e comunicativa, de boa aparência que possui um emprego estável. A realidade: uma pessoa completamente desequilibrada a nível mental que possui algo a que eu classifico como o transtorno dos transtornos, isto porque ela apresenta traços de várias condições psiquiátricas e não há forma de lidar com isso. Primeiro, viciada em compras – o meu pai tem um bom ordenado e ainda assim conseguíamos passar dificuldades todos os meses – depois, acumuladora compulsiva – estão a ver aqueles programas em que as pessoas têm a sua casa amontoada de lixo até ao teto? – sim é isto mesmo, a diferença é que há pessoas aqui para arrumar a casa e que deitam efetivamente as coisas para o lixo. Além disso, é uma pessoa extremamente egoísta e egocêntrica, com características subtis de narcisismo – achar que tem sempre razão, os seus problemas são os piores do mundo, enfim. Isto foi um pequeno resumo, ah e esperem, ela também tem características típicas de síndrome boderline, quando uma pessoa explode por coisíssima nenhuma. Estão a ver o filme aqui em casa não estão?
O meu pai, uma pessoa calma, pacifica, muito perfecionista. O seu maior defeito, ter a minha mãe como sua mulher. É triste dizer isto, mas é verdade.
Depois da depressão infantil, a minha vida não ficou mais fácil, pelo contrário, virou uma catástrofe. A mudança da escola primária para o ciclo poderia ter sido uma experiência positiva, já que iria conhecer pessoas novas, talvez melhores que as anteriores. Isso foi, em parte, verdade, porém o problema é que eu era uma criança muito feia. Quando digo feia não estou a exagerar, cheguei a receber o prémio de rapariga mais feia da escola (a sério), houve um concurso amador feito pelos rapazes da minha turma, que fizeram questão de me fazer chegar o prémio. Desde aí, o clima era terrível, rapazes a gozarem comigo, raparigas a excluírem-me porque não iriam ser amigas de uma pessoa terrivelmente horrorosa, cheia de borbulhas pustulentas na cara e dentes tortos e amarelos.
Quando a puberdade acabou, as coisas começaram a melhorar, e muito. Deixei de usar óculos, deixei de ter borbulhas, o patinho feio tinha deixado de ser assim tão feio. A minha vida deu uma volta de 360º, conheci os amigos que tenho até hoje e estou muito grata por este percurso, apesar de todo o sofrimento que passei durante os meus primeiros 14 anos de existência.
No entanto, de vez em quando, surge esta angústia, esta dor que não desaparece, esta ânsia por culpar alguém, que na realidade não existe. Julgo que não serei capaz de ultrapassar todos os traumas a 100%, mas gostaria de os esquecer, nem que um bocadinho. Há dias que olho para um objeto e subitamente lá surge uma memória ou outra associada a um dos muitos episódios de trauma vividos na infância. É algo que me afeta e afetará para sempre, mas também é algo que me define enquanto ser humano. Sinto-me, apesar de tudo, orgulhosa por ter ultrapassado tudo sozinha e ter conseguido tornar-me na pessoa que sou hoje. Já tive os meus altos e baixos, muito baixos mesmo, dos quais não me orgulho. Mas a vida é mesmo assim, uma aprendizagem. Quem nunca errou?
submitted by Pretty-Gap7378 to desabafos [link] [comments]


2020.09.11 19:41 futebolstats Como assistir Carlos Barbosa x Marreco Futebol AO VIVO – LNF 2020

O jogo envolvendo Carlos Barbosa x Marreco será realizado nesta sexta-feira (11). A disputa é válida pela LNF de 2020. A partida está programada para começar às 17h00 (horário de Brasília) e o duelo entre as equipes vai acontecer no Centro Municipal de Eventos Sérgio Luiz Guerra, localizado em Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul.
Clique AQUI e ganhe 30 dias de DAZN Grátis

ASSISTIR AO VIVO NA TV:

A partida não será transmitida na TV.

ASSISTIR AO VIVO NA INTERNET:

Através do TVN Sports* você poderá assistir o jogo de hoje ao vivo pela internet. Portanto, acesse o site pelo seu notebook, celular, tablet ou outro dispositivo. Além disso, poderá assistir o jogo através do aplicativo oficial.
*Lembrando que para assistir a partida é necessário ter uma assinatura ativa no canal.
Acompanhe todos os jogos e canais ao vivo aqui (teste grátis)
Veja mais!! – Acompanhe todos os jogos AO VIVO

FICHA TÉCNICA:

Torcedômetro Qual é a maior torcida do Brasil?

Carlos Barbosa x Marreco – HISTÓRICO DE CONFRONTOS**

As duas equipes já se encontraram em 4 jogos oficiais na história. O Carlos Barbosa também venceu a equipe adversária em 1 duelo. Já o Marreco também conseguiu superar seu rival em 1 partida. Assim como ficaram no empate em 2 jogos disputados.
Além disso, a equipe do Carlos Barbosa já marcou 10 gols neste duelo. Enquanto o time do Marreco balançou as redes adversárias 9 vezes.
**Números do site oGol (somente jogos oficiais, não inclui partidas amistosas)
Aqui no Futebol Stats você acompanha tudo sobre os campeonatos nacionais e os internacionais. Portanto, acesse nossa página para saber onde assistir os jogos de Futebol Ao Vivo, e saiba onde assistir todos os jogos de hoje. Assim também, não deixe de acessar a nossa página do Torcedômetro veja o ranking e vote em qual time tem a maior torcida do Brasil.
O post Como assistir Carlos Barbosa x Marreco Futebol AO VIVO – LNF 2020 apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/3kdhRAT
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.09.08 18:41 futebolstats Como assistir ACBF x Cascavel Futebol AO VIVO – LNF 2020

O jogo envolvendo ACBF x Cascavel será realizado nesta terça-feira (08). A disputa é válida pela LNF de 2020. A partida está programada para começar às 16h00 (horário de Brasília) e o duelo entre as equipes vai acontecer no Centro Municipal de Eventos Sérgio Luiz Guerra, localizado em Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul.
Clique AQUI e ganhe 30 dias de DAZN Grátis

ASSISTIR AO VIVO NA TV:

A partida não será transmitida na TV.

ASSISTIR AO VIVO NA INTERNET:

Através do TVN Sports* você poderá assistir o jogo de hoje ao vivo pela internet. Portanto, acesse o site pelo seu notebook, celular, tablet ou outro dispositivo. Além disso, poderá assistir o jogo através do aplicativo oficial.
*Lembrando que para assistir a partida é necessário ter uma assinatura ativa no canal.
Acompanhe todos os jogos e canais ao vivo aqui (teste grátis)
Veja mais!! – Acompanhe todos os jogos AO VIVO

FICHA TÉCNICA:

Torcedômetro Qual é a maior torcida do Brasil?

ACBF x Cascavel – HISTÓRICO DE CONFRONTOS**

As duas equipes já se encontraram em 8 jogos oficiais na história. A ACBF já venceu a equipe adversária em 7 duelos. Já o Cascavel nunca conseguiu superar seu rival. Assim como ficaram no empate em 1 jogo disputado.
Além disso, a equipe do ACBF já marcou 35 gols neste duelo. Enquanto o time do Cascavel balançou as redes adversárias 16 vezes.
**Números do site oGol (somente jogos oficiais, não inclui partidas amistosas)
Aqui no Futebol Stats você acompanha tudo sobre os campeonatos nacionais e os internacionais. Portanto, acesse nossa página para saber onde assistir os jogos de Futebol Ao Vivo, e saiba onde assistir todos os jogos de hoje. Assim também, não deixe de acessar a nossa página do Torcedômetro veja o ranking e vote em qual time tem a maior torcida do Brasil.
O post Como assistir ACBF x Cascavel Futebol AO VIVO – LNF 2020 apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/3bF3y5g
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.09.07 00:09 Umjovemsofredor HOJE É MEU ANIVERSÁRIO E A PESSOA QUE CONSIDERAVA MAIS IMPORTANTE PARA MIM NÃO SE LEMBROU

Boa noite, pode parecer bobeira mas meu dia hoje foi o pior de todos. Sabe quando todas as pessoas do mundo poderiam esquecer do seu aniversário menos uma? Até se meus pais tivessem esquecido eu não estaria tão mal como estou agora. Logo a pessoa que sempre lembrou de todos os aniversários de todos seus amigos, que nunca se esqueceu da data de algum evento importante que aconteceu em sua vida se esqueceu logo do meu. Achava que eu era importante para ela, Achava que ela me amava de verdade Mas estava enganado, bom para eu aprender a valorizar apenas quem me valoriza. Feliz 22 anos para mim e que eu posso aprender a não ser besta
submitted by Umjovemsofredor to desabafos [link] [comments]


2020.09.06 06:42 thebluecoala Decidi voltar pra terapia

Eu fiz terapia pela primeira vez a uns 7 anos atras. Na época, minha mãe me colocou lá pra "resolver meus problemas com o meu pai", e ficou revoltada porque "criei problemas com ela". No fim ela me tirou da terapia, mas paciência.
Conforme o tempo passou, e diversos eventos da vida ocorreram, eu comecei a piorar emocionalmente. Eu sempre fui uma pessoa mega ansiosa desde criança, a ponto de ter febre ou ter que ir no banheiro toda hora por estar ansiosa/com medo de algo. Desde que me entendo por gente eu rôo unha, e não teve Cristo que me fez parar com isso (base com gosto amargo? pimenta? meia na mão? esmalte? necas... dependendo o nível de nervoso eu chego a rancar sangue). Comecei a ter problemas de autoestima e autoconfiança, ao ponto de tirar 6 numa prova que valia 8 e ir pro banheiro da escola me mutilar porque não tinha sido bom o suficiente. Suicídio se tornou algo recorrente na minha mente, e cheguei a tentar algumas vezes (fracassei por mim mesma, não cheguei a causar nenhum dano de fato). A última vez foi na quarentena já, aonde eu simplesmente surtei, catei uma tesoura e num lapso de sanidade mandei msg pra um amigo pedindo socorro. Ele ficou até sei la que horas da madrugada conversando cmg até garantir que eu estava dormindo e fora de perigo. No dia seguinte conversou seriamente comigo sobre.
Bom... No meio desse caminho ai eu comecei com uns problemas bem chatos de digestão e tal. Fui no gastro e não teve outra: gastrite. Comecei a tomar remédio, melhorava por um tempo, ai o médico parava o remédio (porque ele não quer q eu fique dependente dele pra ter um estomago ok), voltava tudo... bem, um dia cheguei nele e perguntei: "doutor, será que se eu fizesse terapia ia ajudar?" pq além disso, eu pensava em voltar pra terapia, mas não tinha como bancar no particular, e o plano de saúde só cobre se for por encaminhamento. Pra minha sorte, o médico super concordou, disse q era uma ótima ideia, já que meu quadro tava claramente ligado com o meu emocional, e me encaminhou.
No início, eu fiquei com medo (ainda tenho por sinal) de ficar ouvindo besteira da minha mãe, pq é aquela coisa, depressão/problema psicológico é triste e preocupante no filho dos outros, no seu é frescura. Não dei muita corta, sempre q ela perguntava sobre eu cortava o assunto. Tive que fazer algumas sessões de terapia em grupo por norma do plano de saúde. Foi uma bosta, mas eu botava na minha mente que era pra um bem maior: o meu bem.
No fim da ultima sessão em grupo, preenchi um formulário sobre disponibilidade de horário, que iriam me ligar pra agendar minha primeira sessão individual. Coloquei que estava disponível pra qualquer horário (era fim de dezembro, então as aulas estavam no fim) e boa. Era só esperar...
Janeiro veio.. Fevereiro também... Março tava ai... e nada. Até que no dia 11/03 (lembro até a data) me ligaram falando que tinha horário pro dia seguinte a noite, se eu podia ir. Eu tenho recomendação médica pra não dirigir a noite por conta da vista, mas foda-se cara, to a um tempão esperando por isso. E lá fui eu pra minha primeira sessão individual.
Conversei bastante com a psicologa, falei dos meus principais problemas, a gente pareceu se entender muito bem, foi bem legal. Marcamos minha próxima sessão e boa... se não fosse que no dia seguinte amanheci doente com dengue (pela segunda vez) e fiquei doente por uns 10 dias. No fim desses 10 dias veio a quarentena, fechou tudo, e lá tava eu sem terapia DE NOVO.
No inicio me ofereceram fazer por videochamada, mas minha mae tava sempre em casa e eu sabia que ela ia ficar bisbilhotando, então preferi negar. E ficou por isso mesmo..
Nessa quarentena muita coisa aconteceu, minha vida mudou muito, eu mudei muito, e de uns tempos pra cá me pego direto em umas oscilações de humor ridículas, tendo crise de ansiedade uma atrás da outra, pensamento suicida do nada (to lá rindo de alguma coisa besta e começo a pensar o quanto algo é ruim e enfim... entro em loop). Não é mais como se meu emocional fosse um constante problema, mas sim uma coisa desforme e mutante que cada hora tá de um jeito e eu não sei como vou acordar amanha. Vou acordar bem e conseguir viver? Vou acordar querendo morrer e simplesmente ignorar a existencia de todo mundo? Vou estar com uma raiva tão grande do mundo que vou descontar em quem não deve? Essa inconstância é horrível.
Pensando muito sobre isso esses dias, e percebendo que até quando as coisas dão certo eu acho motivo nelas pra ficar triste, eu decidi voltar pra terapia. Vou esperar passar o feriado e ligar lá e ver se consigo fazer presencial com mascara e o caramba, ou então tentar arrumar um horário por videochamada que minha mãe não esteja em casa. Eu só não aguento mais sentir q meu potencial como ser humano ta limitado em 0.5% porque meu cérebro ta desequilibrado. Eu não aguento mais sofrer dentro de mim mesma, olhar pra mim e perceber que tudo dentro de mim é caos, e que eu não tenho um apoio sequer pra saber por onde seguir. A inconstância e a insegurança dentro de mim são tão absurdas que eu sinto sim que um dia elas vão me matar. Que um dia eu vou decidir enfiar uma faca no meu estomago e ninguém vai estar por perto pra me parar... Então enquanto eu ainda tenho chances e oportunidades, só me resta tentar.
Obrigada se você leu até aqui.
submitted by thebluecoala to desabafos [link] [comments]


2020.09.05 16:41 futebolstats Como assistir ACBF x Joinville Futebol AO VIVO – LNF 2020

O jogo envolvendo ACBF x Joinville será realizado neste sábado (05). A disputa é válida pela LNF de 2020. A partida está programada para começar às 13h15 (horário de Brasília) e o duelo entre as equipes vai acontecer no Centro Municipal de Eventos Sérgio Luiz Guerra, localizado em Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul.
Clique AQUI e ganhe 30 dias de DAZN Grátis

ASSISTIR AO VIVO NA TV:

A partida será transmitida no canal SporTV*.

ASSISTIR AO VIVO NA INTERNET:

Através do SporTV Play* você poderá assistir o jogo de hoje ao vivo pela internet. Portanto, acesse o site pelo seu notebook, celular, tablet ou outro dispositivo. Além disso, poderá assistir o jogo através do aplicativo oficial.
*Lembrando que para assistir a partida é necessário ter uma assinatura ativa no canal.
Acompanhe todos os jogos e canais ao vivo aqui (teste grátis)
Veja mais!! – Acompanhe todos os jogos AO VIVO

FICHA TÉCNICA:

Torcedômetro Qual é a maior torcida do Brasil?

ACBF x Joinville – HISTÓRICO DE CONFRONTOS**

As duas equipes já se encontraram em 17 jogos oficiais na história. A ACBF já venceu a equipe adversária em 4 duelos. Já o Joinville conseguiu superar seu rival em 7 partidas. Assim como ficaram no empate em 6 jogos disputados.
Além disso, a equipe da ACBF já marcou 35 gols neste duelo. Enquanto o time do Joinville balançou as redes adversárias 40 vezes.
**Números do site oGol (somente jogos oficiais, não inclui partidas amistosas)
Aqui no Futebol Stats você acompanha tudo sobre os campeonatos nacionais e os internacionais. Portanto, acesse nossa página para saber onde assistir os jogos de Futebol Ao Vivo, e saiba onde assistir todos os jogos de hoje. Assim também, não deixe de acessar a nossa página do Torcedômetro veja o ranking e vote em qual time tem a maior torcida do Brasil.
O post Como assistir ACBF x Joinville Futebol AO VIVO – LNF 2020 apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/2F43Y94
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.09.01 17:41 futebolstats Como assistir Carlos Barbosa x Atlântico Erechim Futebol AO VIVO – LNF 2020

O jogo envolvendo Carlos Barbosa x Atlântico Erechim será realizado nesta segunda-feira (01). A disputa é válida pela LNF de 2020. A partida está programada para começar às 16h00 (horário de Brasília) e o duelo entre as equipes vai acontecer no Centro Municipal de Eventos Sérgio Luiz Guerra, localizado em Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul.
Clique AQUI e ganhe 30 dias de DAZN Grátis

ASSISTIR AO VIVO NA TV:

A partida será transmitida no canal SporTV*.

ASSISTIR AO VIVO NA INTERNET:

Através do SporTV Play* você poderá assistir o jogo de hoje ao vivo pela internet. Portanto, acesse o site pelo seu notebook, celular, tablet ou outro dispositivo. Além disso, poderá assistir o jogo através do aplicativo oficial.
*Lembrando que para assistir a partida é necessário ter uma assinatura ativa no canal.
Acompanhe todos os jogos e canais ao vivo aqui (teste grátis)
Veja mais!! – Acompanhe todos os jogos AO VIVO

FICHA TÉCNICA:

Torcedômetro Qual é a maior torcida do Brasil?

Carlos Barbosa x Atlântico Erechim – HISTÓRICO DE CONFRONTOS**

As duas equipes já se encontraram em 20 jogos oficiais na história. O Carlos Barbosa já venceu a equipe adversária em 8 duelos. Já o Atlântico Erechim conseguiu superar seu rival em 5 partidas. Assim como ficaram no empate em 7 jogos disputados.
Além disso, a equipe do Carlos Barbosa já marcou 55 gols neste duelo. Enquanto o time do Atlântico Erechim balançou as redes adversárias 44 vezes.
**Números do site oGol (somente jogos oficiais, não inclui partidas amistosas)
Aqui no Futebol Stats você acompanha tudo sobre os campeonatos nacionais e os internacionais. Portanto, acesse nossa página para saber onde assistir os jogos de Futebol Ao Vivo, e saiba onde assistir todos os jogos de hoje. Assim também, não deixe de acessar a nossa página do Torcedômetro veja o ranking e vote em qual time tem a maior torcida do Brasil.
O post Como assistir Carlos Barbosa x Atlântico Erechim Futebol AO VIVO – LNF 2020 apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/2YWmDL1
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.08.27 21:24 FFVII-Regenesis Final Fantasy VII Regenesis (Fan Game)

Conheça o Fan Game de Final Fantasy VII. Este é um jogo sem fins lucrativos criado por fãs que atualmente está em desenvolvimento em parceria com Vanit Studios (Final Fantasy VII 2D Remake). https://rpgmaker.net/games/5794/ Este jogo é destinado a ser uma história de continuação de Final Fantasy VII (Advent Children e Dirge Of Cerberus.) A história se passa 7 anos após dos eventos de Dirge of Cerberus.
Criadores: Game Fantasy Studio Gênero:Ficção/RPG Parte 1: Concluído. Parte 2: Em Beta. Data de início: 19/05/2018 Lançamento - Parte 1 (100%): 18/05/2019 (Completo) Lançamento - Parte 2 (95%): 28/08/2020 (Versão Beta)
Alguns recursos do jogo incluem: Sprites personalizados (nem todos são totalmente originais, alguns deles já foram usados nos Jogos Final Fantasy VII Origin e Final Fantasy VII 2D Remake. Trilha sonora do Final Fantasy VII em formato MIDI. Efetos sonoros do Final Fantasy VII. Recriação de todas as cidades em 2D. Menu de Matérias personalizado diferente do original. Limit Break com o mesmo sistema do FF7 original. Sistema de roubar itens de um inimigo durante a batalha. Sistema de Enemy Skill, onde você pode aprender novas habilidades do inimigo. Novas habilidades e animações de batalha. Múltiplos Vilões além do Vilão principal durante o jogo. Sistema de captura de Chocobos. Recriação do Mapa Mundo do Final Fantasy VII em 2D. O jogo é sempre será sem fins lucrativos e nós nunca cobraríamos por isso.
Sistema de Matérias: Todas as Matérias que estão equipadas ganham 9 de Ap a cada uso do comando 'Magia' durante uma batalha. Não importa quantas vezes você use as magias, todas que estão equipadas ganharão 9 de Ap a cada uso. Quando uma matéria tiver mais de 3000 de AP, elas passarão a ganhar 29 AP.
Sinopse: 7 anos depois dos acontecimentos da Final Fantasy VII - Dirge Of Cerberus, Jenova desencadeia eventos que irão trazer novamente Cloud e todos os seus amigos e antigos inimigos para uma grande batalha que irá decidir o destino final do planeta.
Jogabilidade: A jogabilidade do Final Fantasy VII está dividida principalmente em três áreas principais: Mapa do mundo do jogo, mapas de campo e telas de batalha. O mapa do mundo é uma representação em escala do mundo fictício do jogo através do qual o jogador pode viajar entre diferentes locais existentes. Como em jogos de Final Fantasy anteriores, a travessia pode ser feita a pé, montando chocobos (aves galiformes recorrentes na série), voando uma aeronave ou por mar através de um barco.
Sistema de Batalha: As batalhas no Final Fantasy VII podem ocorrer aleatoriamente ou desencadeadas por um evento específico, colocando o grupo de jogadores contra um ou mais inimigos. Ganhe uma batalha e todos os oponentes serão recompensados com experiência, itens, e Gil (a moeda do jogo). Entretanto, se todos os membros do grupo forem abatidos ou deixados sem poder continuar a luta, o jogo termina e o jogador deve recomeçar de seu último Save.
Sistema de Limit Break: O Limit Break permite você usar um ataque especial durante as batalhas. Toda vez que seus personagens sofrem dano, a barra de Limit Break irá se encher até chegar ao máximo, liberando o comando Limit para usar um ataque especial. Início da Trama: Cloud, um Espadachim confiante que acreditou ser um membro da Soldier 1ª Classe da Shinra, ele ainda sofre com pesadelos desde a última Luta contra Sephiroth em Advent Children. Sete anos após Dirge of Cerberus, Cloud se reúne com Vincent e Yuffie para descobrir alguns eventos estranhos nas proximidades de Midgar. Logo o grupo descobre que a Shinra está sob um novo governo que está reativando os serviços da Empresa e fazendo experimentos com criaturas com as pedras de Omega. Durante as investigações, um estranho homem de manto negro vagueia pelas regiões de Junon em busca de um artefato que está sob o sigilo da Shinra. Mas o que a Shinra e grupo de Cloud não sabiam, era que este homem é nada mais e nada menos que um Ex-Soldier de 1ª Classe que estava desaparecido ha mais de Dez anos. Agora, o futuro depende de Cloud e seus amigos para proteger este artefato misterioso que pode colocar o Destino do planeta em risco.
Desenvolvimento: O jogo está sendo dividido em 3 partes. Parte 1 e Parte 2 (Beta) já está disponível para Download. A equipe continua a trabalhar para a conclusão do jogo. Todos os recursos e Sprites que estão sendo usados serão dados os devidos Créditos aos Autores!
submitted by FFVII-Regenesis to u/FFVII-Regenesis [link] [comments]


2020.08.27 16:02 Scabello More about Belarus color "revolution"

Text from a amazing marxist virtual magazine from Brazil.

https://revistaopera.com.b2020/08/26/belarus-nacionalismo-e-oposicao/

Belarus: nacionalismo e oposição


As manifestações em Belarus estão recebendo uma grande cobertura nos meios ocidentais, o que se reflete na imprensa brasileira, que se contenta em traduzir e repetir aquilo que é dito em grandes veículos europeus. A amplitude e até a paixão dessa cobertura gera, por efeito de contraste, uma sensação de falta de profundidade, já que em meio de tantas notícias, carecemos até mesmo de uma introdução sobre aspectos específicos do conflito e dos atores que participam dele. O que a cobertura nos oferece, no entanto, é uma narrativa sobre manifestantes lutando contra um ditador em nome da liberdade, discurso fortalecido por uma certa abundância de imagens. Na frente desta luta, a candidata derrotada – alegadamente vítima de fraude – Sviatlana Tsikhanouskaya, uma “mulher simples”, “apenas uma dona de casa”, o símbolo da mudança. Em alguns dos meios de esquerda e alternativos, este posicionamento da grande mídia já gera uma certa desconfiança. Imediatamente surgem perguntas sobre quem forma essa oposição e se podemos fazer comparações com a Ucrânia em 2014, onde uma “revolução democrática” foi acompanhada por grupos neofascistas, ultranacionalismo e chauvinismo anti-russo. Outros já se revoltam contra o reflexo condicionado e declaram que não podemos julgar os eventos de Belarus pela ótica dos eventos ucranianos, e que avaliações não deveriam ser feitas na função inversa da grande mídia. Me deparando com a diversidade de problemas que podem ser desenvolvidos a partir do problema de Belarus, decidi começar com um problema simples de imagem e simbologia, mas que nos traz muitas informações. As imagens que estampam os jornais são dominadas por duas cores: branco e vermelho.

Uma disputa pela história

Uma faixa branca em cima, uma faixa vermelha no meio e outra faixa branca embaixo – esta bandeira domina as manifestações oposicionistas em Belarus. Ela surgiu primeiro em 1919, em uma breve experiência política chamada de República Popular Bielorrussa, órgão liderado por nacionalistas mas criado pela ocupação alemã no contexto do pós-Primeira Guerra, Guerra Civil na Rússia e intervenção estrangeira que ocorreu naquele período. Uma bandeira diferente do símbolo oficial de Belarus: do lado esquerdo, uma faixa vertical reproduz um padrão tradicional bielorrusso, como na costura, em vermelho e branco, do lado duas faixas horizontais, vermelho sobre verde (somente um terço em verde). Bandeira muito similar à velha bandeira da República Socialista Soviética de Belarus, com a diferença que na antiga o padrão tradicional estava com as cores invertidas e na massa vermelha horizontal brilhava a foice-e-martelo amarela com uma estrela vermelha em cima. Os manifestantes também usam um brasão de armas histórico do Grão Ducado da Lituânia, a Pahonia, onde vemos um cavaleiro branco, brandindo sua espada e segurando um escudo adornado por uma cruz jaguelônica. O emblema oficial de Belarus, no entanto, é diferente, correspondendo à simbologia soviética, onde um sol que se levanta sobre o globo ilumina o mapa de Belarus, com bagos de trigo nos flancos e uma estrela vermelha coroando a imagem. Essa diferença entre símbolos do governo e da oposição não é só uma diferença política momentânea, mas remete a uma disputa pela identidade nacional de Belarus, a processos divergentes de formação de consciência nacional, conforme exemplificados por Grigory Ioffe. Quando Belarus se tornou independente da União Soviética nos anos 90, isto aconteceu apesar da vontade popular, sem movimentos separatistas como os que ocorreram vigorosamente nas repúblicas soviéticas bálticas, vizinhas de Belarus pelo norte, ou na parte ocidental da Ucrânia, país que faz fronteira com Belarus pelo sul. Pelo menos até pouco tempo atrás, a maioria dos cidadãos se identificava com a Rússia e concebia a história de Belarus no marco de uma história soviética. Para a maioria da população, o evento mais importante da história de Belarus foi a Grande Guerra Patriótica, isto é, a resistência contra os invasores nazistas, o movimento partisan como primeiro ato de vontade coletiva. É depois da guerra que os bielorrussos se tornam maioria nas cidades do país (antes de maioria judaica, polaca e russa), bem como dirigentes da república soviética – líderes partisans se tornaram líderes do partido. Esse discurso filo-soviético também é acompanhado pela ideia de proximidade com a cultura russa, inclusive a constatação de que é difícil fazer uma diferenciação nacional entre as duas culturas. Em termos de narrativa histórica, isso é acompanhado por afirmações como a de que a Rússia salvou o povo das “terras de Belarus” da opressão nacional e religiosa dos poloneses. Então, figuras históricas da Rússia são lembradas, como por exemplo o general Alexander Suvorov (1730 – 1800), que é celebrado como um herói da luta contra a invasão polonesa das “terras de Belarus” e da Rússia em geral. Essa ideia de união entre Rússia e Belarus é fundamental para o pan-eslavismo. A revolução em 1917 também é considerada um episódio nacional, o começo da criação nacional de Belarus dentro da União Soviética, com sua própria seção bolchevique e adesão dos camponeses à utopia comunista, mas nem isso e nem a história nacional russa superam a Segunda Guerra Mundial como fator de consciência nacional. Contra esta visão surgiu uma alternativa ocidentalizante, que propõe que Belarus é um país completamente diferente da Rússia, que foi dominado pela Rússia e que precisa romper com Moscou para ser um país europeu. Essa tendência tenta afirmar a existência de um componente bielorrusso específico na Comunidade Polaco-Lituana, identificando a elite pré-nacional com nobres locais. Atribuem a “falta de consciência nacional” no país à intrigas externas. Seus heróis de forma geral são heróis poloneses, e celebram quando os poloneses invadiram a Rússia. Se esforçam por fazer uma revisão histórica que justifique a existência de uma nacionalidade bielorrussa atacando a narrativa ligada à Segunda Guerra Mundial, renegando a luta dos partisans e enquadrando sua nação como uma “vítima do estalinismo”, que passa ser comparado com o nazismo como uma força externa. Suas preocupações centrais, além de tentar construir uma história de Belarus antes do século XX, está a preservação da língua bielorrussa em particular, com suas diferenças em relação ao russo. Nessa visão, as repressões do período Stálin deixam de ser uma realidade compartilhada com os russos e outras nacionalidades soviéticas, para ser entendida como uma repressão contra a nação de Belarus, exemplificada principalmente pela repressão de intelectuais nacionalistas. Na tentativa de desconstruir o “estalinismo” e os partisans, os nacionalistas defenderam a Rada Central de Belarus, um órgão colaboracionista criado pela ocupação alemã, que não pode ser chamado sequer de governo títere, mas que adotava a visão histórica dos nacionalistas e fez escolas de língua exclusivamente bielorrussa em Minsk. A Rada foi liderada por Radasłaŭ Astroŭski, que foi para o exílio norte-americano e dissolveu órgão depois da guerra para evitar responsabilização por crimes de guerra. A versão nacionalista não só defende a “posição complicada” dos colaboradores nos anos 40, como revisa positivamente o papel do oficial nazista Wilhelm Kobe, Comissário Geral para Belarus entre 1941 e 1943 (até ser assassinado pela partisan Yelena Mazanik). Argumenta-se que Kobe seria um homem interessado nas coisas bielorrussas e seu domínio permitiu o florescimento nacionalista. Do lado colaboracionista existiu uma Polícia Auxiliar e a Guarda Territorial Bielorrusa, as duas ligadas aos massacres nazistas e associadas a uma das unidades mais infames da SS, a 36ª Divisão de Granadeiros da SS “Dirlewanger”. Depois, foi formada por uma brigada bielorrussa na 30ª da SS. A colaboração usava as bandeiras vermelha e branca, com a Guarda Territorial usando braçadeiras nessa cor. Essas cores seriam retomadas na independência do país em 1991, mas foram muito atacadas por sua associação com a colaboração. Por isso ela foi rechaçada por uma maioria esmagadora em um referendo realizado em 1995, que definiu os símbolos nacionais de hoje e mudou o “Dia da Independência” para 3 de Julho, dia em que Minsk foi libertada das forças de ocupação nazista, em 1944. A visão nacionalista e ocidentalizante é minoritária, compartilhada por algo entre 8% e 10% da população; número que é consistente com o número de católicos do país – um pouco maior, na verdade, o que serve para contemplar uma minoria de jovens de Minsk, que proporcionalmente tendem a ser mais adeptos de uma visão distinta da história soviética. Em 1991, o nacionalismo se reuniu na Frente Popular Bielorrussa, em torno da figura do arqueólogo Zianon Pazniak, que representava uma militância radical, anti-russa, europeísta e guardiã dessa simbologia nacional. O movimento fracassou e parte disso provavelmente se deve à liderança de Pazniak, tido como intolerante. Havia também um movimento paramilitar chamado Legião Branca, que se confrontaria com Lukashenko no final dos anos 90. Estes seriam “os nazis bielorrussos dos anos 90”, pecha que é disputada por seus defensores, que os retratam até mesmo como democratas, mas que é justificada por seus detratores baseada em seu separatismo étnico e intolerância dirigida aos russos apesar de viverem no mesmo espaço e a maioria do seu próprio país falar a língua russa. Ainda assim, o alvo-rubro vem sendo reivindicado como um símbolo de liberdade, democracia e independência: seus defensores vêm tentando firmar a identidade dessa bandeira mais em 1991 do que em 1941. Para todos os efeitos, se tornou um símbolo de oposição Lukashenko, símbolo de “outra Belarus”, com boa parte dos jovens mantendo uma atitude receptiva em relação a ela – um símbolo carregado de controvérsia, mesmo assim. Essas divergências simbólicas escondem diferentes histórias e questões políticas radicais. Além disso, é possível constatar que Belarus tem dois componentes nacionais externos em sua formação: os poloneses e os russos. No plano religioso, o catolicismo associado com Polônia e a ortodoxia associada à Rússia (segundo dados de 2011, 7,1% da população católica, 48,3% ortodoxa e 41,1% diz não ter religião, 3,5% se identificam com outras). Na disputa histórica, existe uma narrativa filo-soviética e outra ocidentalizante. Nesta última década, o próprio governo Lukashenko presidiu sobre uma política de aproximação e conciliação dessas narrativas históricas sobre Belarus, tentando ocupar uma posição mais nacionalista, mesmo que mantendo o núcleo soviético como fundamental. Esta aproximação foi muito criticada por um núcleo duro de patriotas e irredentistas russos. Por outro lado, dentre os manifestantes não necessariamente há uma ruptura total com a narrativa histórica partisan e motivos antifascistas, pelo menos não se buscarmos casos individuais – nesse caso, o uso histórico da bandeira seria ignorado ou superado por outra proposta. Apesar de existir uma oposição que busca lavar a bandeira alvirrubra, é possível identificar nacionalistas radicais na oposição?

Belarus não é Ucrânia – mas pode ser ucranizada?

Pelo menos em meios ocidentais, se afirmou muito que “a crise de Belarus não é geopolítica”. Muitos textos publicados no Carnegie Moscow Center elaboraram em torno dessa afirmação. A declaração da Comissão Europeia afirmou isso. O professor e colunista Thimothy Garton Ash escreveu no The Guardian que sequer se pode esperar um regime democrático liberal depois da saída de Lukashenko, e relata contatos com bielorrussos que dão a impressão de um sentimento ao mesmo tempo oposicionista e pró-russo. Por esse argumento, Belarus é diferente da Ucrânia, as manifestações não têm relação com geopolítica, os bielorrussos até gostam da Rússia e a lógica extrapola ao ponto de dizer que, portanto, Putin tende a apoiá-las. Mais de um texto fala de como a identificação entre bielorrussos e russos, como povos irmãos ou até iguais, “anula” essas questões – isto é, estes textos têm como pressuposto uma solidariedade nacional, uma continuidade entre os dois povos, algo distinto do radicalismo nacionalista. Até parecem acreditar que isto tiraria de Putin o interesse de ajudar Lukashenko ou da Rússia enquadrar esses eventos na sua visão estratégica como algo equivalente ao problema ucraniano. De fato, Belarus não é a Ucrânia. A divisão sobre a identidade nacional não é tão polarizada em Belarus como é na Ucrânia. A divisão regional e linguística, bem como as diferentes orientações geopolíticas, não é tão radical. A marca da colaboração e suas consequências políticas não é tão forte em Belarus como é na Ucrânia – não acredito que o nacionalismo em Belarus está no mesmo patamar do ultranacionalismo ucraniano. No plano da operação política, a comparação com a Ucrânia é feita em função do Maidan de 2014, onde também existem diferenças. O Maidan teve a participação decisiva de partidos políticos consolidados e posicionados dentro do Parlamento, que no momento final tomaram o poder do presidente Yanukovich usando seu poder parlamentar. Partidos ligados a oligarcas multimilionários, com políticos que enriqueceram em negócios de gás, e nas ruas uma tropa de choque de manifestantes formada por nacionalistas bem organizados. Dito isso, devemos olhar para o posicionamento da oposição bielorrussa e não aceitar de forma acrítica as narrativas de que a manifestação não tem nada a ver com geopolítica e que não possuí liderança. Alegam que questões como adesão à OTAN e integração europeia não são primárias na política de Belarus – será mesmo? E essas questões nacionais, não têm relação alguma com as manifestações? Primeiro, um dos movimentos que protagoniza enfrentamentos de rua em Belarus desde outros anos (especialmente nos enfrentamentos de rua de 2010) e se destaca nos meios oposicionistas, inclusive com reconhecimento ocidental, é a Frente Jovem, que é um movimento nacional radical, acusado de filo-fascista e ligado aos neofascistas ucranianos. Este movimento também é ligado ao partido Democracia Cristã Bielorrusa (DCB), o qual ajudou a fundar. Ambos são contra o status oficial da língua russa e querem retirar o russo das escolas. Pavel Sevyarynets, um dos fundadores da Frente Jovem e liderança da DCB, é frequentemente referido como dissidente e “prisioneiro de consciência” foi organizador da campanha “Belarus à Europa”. Ele foi preso antes das eleições como um organizador de distúrbios. A Revista Opera teve acesso ao material de um jornalista internacional que entrevistou um professor de artes bielorrusso, autoproclamado anarquista e defensor das manifestações, que se referiu à prisão de Sevyarynets como um ato preventivo do governo e respondeu a uma pergunta sobre as reivindicações do movimento dizendo que as pessoas tem em sua maior parte bandeiras nacionalistas. Em segundo lugar, cabe ressaltar que um dos principais partidos de oposição e representante das declarações atuais é o Partido da Frente Popular Bielorussa (PFPB), descendente da Frente Popular dos anos 90, um partido de direita, adepto da interpretação nacionalista, hostil à Rússia e pró-europeu. O PFPB, a Democracia Cristã, a Frente Jovem e o partido “Pela Liberdade” são parte de um “Bloco pela Independência de Belarus”. Estes movimentos tiveram vários contatos com grupos neofascistas ucranianos, com a Frente Jovem em específico mantendo relações de longa data e tomando parte em marchas em homenagem a colaboradores como Stepan Bandera e Roman Shukeyvich (que na SS Natchigall foi um carrasco dos habitantes e partisans do sul de Belarus) – diga-se, entretanto, que não necessariamente funcionam da mesma forma que as organizações extremistas. Mesmo movimentos que se organizam como ONGs, com aparência de ativismo genérico e recebendo dinheiro de programas para promover a democracia a partir da Lituânia (que por sua vez direciona dinheiro do Departamento de Estado dos Estados Unidos), servem como organizações nacionalistas, como é o caso da ONG BNR100. Em terceiro lugar, podemos olhar para algumas lideranças de oposição presentes no Conselho de Coordenação formado para derrubar Lukashenko. Foi proclamado que o Conselho de Coordenação é composto por “pessoas destacadas, profissionais, verdadeiros bielorrussos”, por aqueles que “representam o povo bielorrusso da melhor maneira, que nestes dias estão escrevendo uma nova página da história bielorrussa”. Olga Kovalkova, peça importante da campanha de Sviatlana Tsikhanouskaya, que já havia listado pessoas do conselho antes dele ser anunciado oficialmente, em sua página do Facebook. Ela mesma é um dos membros. É graduada pela Transparency International School on Integrity e pela Eastern European School of Political Studies (registrada em Kiev, patrocinada pela USAID, National Endowment for Democracy, Open Society Foundation, Rockefeller Foundation, Ministério das Relações Exteriores da Polônia, União Europeia e estruturas da OTAN). Kovalkova é co-presidente da Democracia Cristã Bielorrussa; defende a saída de Belarus da Organização Tratado de Segurança Coletiva (OTSC; Tratado de Takshent), a separação do Estado da União com a Rússia e a retirada do russo da vida pública. O outro co-presidente da DCB, Vitaly Rymashevsky, também está no conselho. Ales Bialiatski, famoso como defensor dos direitos humanos e que foi preso sob acusação de enganar o fisco a respeito da extensão de sua fortuna, também fez parte do movimento nacionalista da Frente Popular de Belarus, do qual foi secretário entre 1996 e 1999 e vice-presidente entre 1999 e 2001. Também é fundador da organização Comunidade Católica Bielorrussa. É presidente do Viasna Human Rights Centre (financiado por Eurasia Foundation, USAID e OpenSociety) e recebeu o prêmio liberdade do Atlantic Council, além de prêmios e financiamentos na Polônia. Sua prisão em 2011 foi baseada em dados financeiros fornecidos por promotores poloneses e lituanos, enquadrado por um artigo de sonegação da lei bielorrussa.
Na hoste dos nacionalistas mais comprometidos representados no Comitê de Coordenação temos também Yuras Gubarevich, fundador do partido “Pela Liberdade”, antes um dos fundadores da “Frente Jovem” e foi durante anos liderança do Partido Popular; uma das grandes lideranças oposicionistas.
📷
Pavel Belaus é ligado à Frente Jovem, um dos líderes da ONG Hodna e dono da loja de símbolos nacionalistas Symbal. Ele também é ligado ao movimento neofascista ucraniano Pravy Sektor e esteve envolvido na rede de voluntários bielorrussos para a Ucrânia. Andriy Stryzhak, do BNR100, ligado ao Partido da Frente Popular, coordenador da iniciativa BYCOVID19. Participou do Euromaidan, de campanhas de solidariedade com a “Operação Antiterrorista” de Kiev no leste da Ucrânia e de articulação com voluntários bielorrussos. Andrey Egorov promove a integração europeia. Alexander Dobrovolsky, líder liberal ligado ao velho eixo de aliados de Boris Yeltsin no parlamento soviético, é pró-ocidente. Sergei Chaly trabalhou em campanhas de Lukashenko no passado, é um especialista do mundo financeiro, ligado a oposição liberal russa e pro ocidente. Sim, também existem elementos de esquerda liberal ligados ao Partido Social Democrata de Belarus (Hromada), uma dissidência do PSD oficial, que é a favor da adesão à União Europeia e da OTAN. Dito isso, não falamos o suficiente da influência nacionalista. Tomemos por exemplo o grupo Charter 97, apoiado pelo ocidente, principalmente pela Radio Free Europe, que se estiliza como um movimento demo-liberal. Dão espaço para a Frente Jovem, onde naturalmente seu líder pode chamar os bielorrussos que combatem na Ucrânia de “heróis” pois combatem a “horda” (se referindo a Rússia da mesma maneira que o Pravy Sektor). Voluntários bielorrussos combateram ao lado de unidades do Pravy Sektor e do Batalhão Azov. Durante as manifestações, o Charter 97 publicou, no dia 15 de agosto, um texto comemorando o “Milagre sobre o Vistula: no dia 15 de agosto o exército polonês salvou a Europa dos bolcheviques” e “Dez Vitórias de Belarus”, em que a Rússia é retratada como “inimigo secular” dos bielorrussos. Ações de ocupação de poloneses contra a Rússia são celebradas como “vitórias bielorrussas”. É importante também observar o papel que padres católicos vêm cumprindo nas manifestações, inclusive se colocando à frente de algumas delas. O bispo católico Oleg Butkevich questionou as eleições no dia 12 de agosto. Pelo menos em Lida, em Vitebetsk, Maladzyechna e em Polotsk, clérigos organizaram manifestações. Em Minsk, tomou parte o secretário de imprensa da Conferência de Bispos de Belarus, Yury Sanko. Em Polotsk, sobre a justificativa de ser uma procissão, o padre Vyacheslav Barok falou do momento político como uma “luta do bem contra o mal”. É claro que padres católicos podem participar de movimentos políticos de massa, eles também são parte da sociedade, mas este dado não deixa de ter uma significação política específica, visto que os radicais do nacionalismo bielorrusso se organizam no seio da comunidade católica. Ao mesmo tempo, isso gera ansiedade em um “outro lado”, no que seria um lado “pró-russo”, não só por conta de conspirações sobre “catolicização” do país, mas por ter visto na experiência ucraniana a associação de clérigos do catolicismo grego a neofascistas e eventualmente o Estado bancando uma ofensiva contra a Igreja Ortodoxa russa, o que inclui tomada de terras e expropriação de templos. O mesmo problema está ocorrendo neste ano com os ortodoxos sérvios em Montenegro; existem dois precedentes recentes no mundo religioso cristão ortodoxo que podem servir para uma mobilização contra as manifestações.

Programa de oposição: em busca do elo perdido

A candidatura de Tikhanovskaya não tinha um programa muito claro fora a oposição a Lukashenko. Porém, um programa de plataforma comum da oposição, envolvendo o Partido da Frente Popular, o Partido Verde, o Hramada, a Democracia Cristã e o “Pela Liberdade” chegou a ser formulado em uma “iniciativa civil” envolvendo estes partidos e ONGs que estava no site ZaBelarus. Depois, parte deste programa foi transferido para o portal ReformBy. Quando o programa passou a ser exposto no contexto das manifestações (por volta do dia 16), a oposição tirou o site do ar, mas ele ainda pode ser acessado com a ferramenta Wayback Machine. O programa quer anular todas as reformas e referendos desde 1994, retornando à Constituição daquele ano (e conforme escrita pelo Soviete Supremo). Se compromete a retirar da língua russa seus status oficial, além de substituir a atual bandeira por uma vermelho e branca. Existe uma proposta de reforma total de todas as instituições: bancárias, centrais, locais, judiciais, policiais, militares.
O programa também tem uma sessão dedicada à previdência, criticando o sistema de repartição solidária de Belarus como “falido” e responsável por uma “alta carga tributária sobre os negócios”. Propõem “simplificação”, “desburocratização” e “alfabetização financeira da população” para que esta assuma sua parcela de responsabilidade pela aposentadoria. O sistema seria “insustentável” no ano de 2050 por razões demográficas. Também criticam o “monopólio” da previdência pública, “sem alternativas no mercado”. A proposta oposicionista é de contas individuais de pensão com contribuição obrigatória, mas sem eliminar o sistema solidário, tornando o sistema “baseado em dois pilares”; elevar a idade de aposentadoria das mulheres (57) para igual a dos homens (62); “desburocratização” através da eliminação e fusão de órgãos públicos de seguridade social; eliminar diversos tipos de benefício e igualar os valores para todos os cidadãos (independente da ocupação). Essas propostas previdenciárias em específico são assinadas por Olga Kovalkova. Na seção de economia, o programa fala de um “problema do emprego” criticando as empresas estatais e demandando flexibilização da legislação, “incentivos para os investidores”, “uma política macroeconômica de alta qualidade, i.e. inflação baixa, política fiscal disciplinada, escopo amplo para a iniciativa privada”; “o mercado de trabalho é super-regulado”, diz o documento. “Melhorar o ambiente de negócios e o clima de investimentos”, “tomar todas as medidas necessárias para atrair corporações transnacionais”, “privatização em larga escala”, “criação de um mercado de terras pleno”, “desburocratização e desmonopolização da economia”, “adoção das normas básicas de mercado e padrão de mercadorias da União Europeia”, enumera o programa dentre as diversas propostas, que incluem privatização de serviços públicos e criação de um mercado de moradia competitivo. Até aqui, com exceção da referência à língua russa, estamos falando mais de neoliberais do que nacionalistas propriamente. Podemos dizer também que pontos como adoção de padrões europeus e reformas econômicas influenciam a questão geopolítica. Ainda assim, boa parte dessas reformas econômicas também são defendidas por Viktor Barbaryka, empresário bielorrusso que era tido como principal candidato de oposição a Lukashenko que está preso por crimes financeiros; Barbaryka é considerado um “amigo do Kremlin”, pró-russo. Existe uma seção perdida, a seção de “Reforma da Segurança Nacional”. Na primeira semana de protestos, surgiu na rede uma suposta reprodução do conteúdo dessa seção¹. O conteúdo é uma análise ocidentalista que enquadra o Kremlin como uma ameaça, propondo a saída do Tratado de Takshent, da União com a Rússia e medidas para fortalecer o país com “educação patriótica”. Muitos temas que já foram vistos na Ucrânia, com a identificação do Kremlin como uma ameaça tendo como consequência a proposição de medidas contra “agentes do Kremlin” dentro do país, na mídia e na sociedade civil (e, dentre elas, uma proposta de “bielorrussificação” das igrejas). Tão logo isso passou a ser denunciado na primeira semana depois das eleições, o site inteiro foi tirado do ar. A oposição, tendo entrado em um confronto prolongado que pelo visto não esperava (contando com a queda rápida de Lukashenko) sabe que esse tipo de coisa favorece o governo e cria um campo favorável para ele, por isso agora tentam se dissociar, falando deste programa como produto de uma iniciativa privada, apesar de ser uma articulação política envolvendo líderes da oposição. Tanto seus elementos de reforma econômica combinam com o que diziam políticos de oposição liberal em junho, como as supostas posições geopolíticas casam com os nacionalistas que tomam parte da coalizão (e na verdade, é um tanto óbvio que pelo menos uma parte considerável dos liberais é pró-OTAN). No mesmo dia que tal documento foi exposto na mídia estatal bielorrussa – e mais tarde, comentado por Lukashenko em reunião do Comitê Nacional de Defesa – o Conselho de Coordenação declarou oficialmente que desejam cooperar com “todos os parceiros, incluindo a Federação Russa”. Desinformação? Por mais provocativas que sejam as posições do suposto trecho do programa, é fundamentalmente o discurso normal de nacionalistas e liberais atlantistas em Belarus; agora que os dados foram lançados, é natural que a direção oposicionista que não reconhece os resultados das eleições procure se desvencilhar desses posicionamentos estranhos aos seu objetivo mais imediato, que é derrubar Lukashenko.² Ainda que os manifestantes possam ter motivações diversas, a situação atual está longe de ser livre do peso da geopolítica e das narrativas históricas que sustentam o caminhar de um país.
Notas:¹ – Procurando o trecho em russo no Google com um intervalo de tempo entre o primeiro dia de janeiro de 2020 até o primeiro dia de agosto (isto é, antes disso virar uma febre na rede russa), o próprio mecanismo de pesquisa oferece uma página do “Za Belarus” que contém o trecho, mas com um link quebrado – sinal de que há algum registro no cache do Google. A data é dia 25 de junho.
² – O Partido da Frente Popular da Bielorrússia acusou Lukashenko de “fake news” ao divulgar o que seria o seu programa como se fosse de Tikhanovskaya, tratando as medidas como “inevitáveis para Belarus” porém “fora de questão” no momento. O programa, naturalmente, é marcado pela retórica nacionalista e defende adesão de Belarus na OTAN, mas não usa o mesmo palavreado. Da mesma forma o programa do PFPB também tem princípios liberais-conservadores na economia.
submitted by Scabello to fullstalinism [link] [comments]


2020.08.26 15:02 HanSolo100 A teia do Benfica

A TEIA DO BENFICA
Sobre a rede de interesses e de influências que gravita em torno do nosso Clube e estrangula o desenvolvimento do Sport Lisboa e Benfica
“O maior castigo para aqueles que não se interessam por política, é que serão governados pelos que se interessam.” — Arnold Toynbee
A citação acima relembra que todos, enquanto Benfiquistas, temos as nossas responsabilidades e não devemos deixá-las para outros sob qualquer pretexto. Esta lembrança torna-se ainda mais importante quando em causa está o nosso maior amor, O Benfica!
As relações de Poder estão por toda a parte, inclusivamente na esfera da nossa vida privada. Neste caso em particular, a esfera do Sport Lisboa e Benfica. Esfera essa que tem vindo a ser corrompida, sobretudo de 94 em diante, até aos dias de hoje em que enfrentamos consequências de vária ordem que colocam em causa todo o potencial deste gigante clube.
PREÂMBULO
No sentido de verificar e validar o que doravante apresentaremos, contactámos um historiador, Benfiquista insuspeito, salvo-conduto da nossa história e dos nossos valores que, confrontado com os dados inicialmente lançados para cima da mesa, nos disse, ipsis verbis, o seguinte:
ü - “tudo começou com a primeira máfia do futebol português, pois eles funcionam como a máfia, adiantavam dinheiro para manter os clubes presos, e essas pessoas, de que falamos, foram agentes ao serviço dessa máfia do norte, dos direitos televisivos (…) foi aí que tudo começou”, disse, referindo-se à Controlinveste, grupo empresarial dos irmãos Oliveira (António e Joaquim), proprietários da Olivedesportos.
Quer isto dizer que, nas últimas décadas de vida do nosso Clube, o revisionismo histórico tem sido um instrumento useiro e vezeiro e que a narrativa que nos tem sido vendida, afinal, é um logro que nos impede de ter uma percepção da realidade que nos permita defender o Clube e traçar-lhe o destino que é seu e que Lhe tem sido negado.
Esta investigação teve como mote o almoço anual onde participam algumas figuras que iremos abordar mais adiante. Coube, este ano, a Francisco Cortez organizar o que decorreu no passado dia 18 de julho de 2020, em Coruche. Sabidos os nomes que nele estiveram presentes, tocaram os alarmes e, ao juntar as pontas de um intricado novelo, ficou patente um elitista almoço, contrário à génese do que é o Benfica, e cujos participantes têm para si a assunção de direitos-naturais sobre o Benfica e, claro está, o seu controlo.
Antes deste evento ter lugar, assistimos à criação de uma elevada expectativa, para um messias que estaria para chegar. Propositada e estrategicamente posta em prática, a preparação para a entrada em cena de João N. Lopes foi durante semanas acompanhada de soundbytes como “fortíssima base de apoio, num projeto imponente”, nos termos de Adão e Silva, e teve como palco, como seria de esperar e com bastante tempo de antena, a Sporttv+.
Foi desta forma que, naquele espaço televisivo, foi continuada e reiteradamente anunciada, permeio de forte suspense, com pompa e circunstância a chegada de um presumível predestinado a assumir os destinos e a presidência do Benfica. A Sporttv +, de Joaquim Oliveira, não olhou a meios e disponibilizou, semanalmente, amplo tempo de antena.
Tudo isto, estrategicamente preparado para parecer extraído de um conto de fadas. Toda esta mediatização não mais foi do que uma forma de mascarar um cheiro a bafio que conspurca o Benfica há cerca de 30 anos. Uma história falsa que nos querem impingir, uma versão repetidamente contada, empolada e amplamente romanceada para mascarar a podridão com que nos presenteiam há décadas.
A reboque do almoço elitista, lembremo-nos que o Benfica é, e sempre foi, um Clube de origens populares, que sempre rejeitou as elites e cuja transparência das suas práticas democráticas sempre prevaleceu mesmo em contexto de regime autoritário, de Salazar.
A ORIGEM
Importa, pois, contextualizar todo o processo que adiante exporemos.
Manuel Damásio, o 1.º ensaísta de um Benfica das elites, deixou o Sport Lisboa e Benfica de rastos por meio de uma gestão profunda e reconhecidamente danosa que deixou o Benfica profundamente vulnerável a um homem que se soube aproveitar dessa vulnerabilidade estrutural do Benfica para nele entrar.
João Vale e Azevedo foi o que foi, um engenhoso autocrata. Ainda assim, se mérito há que deve ser reconhecido a João Vale e Azevedo (JVA), foi a coragem deste para ter rompido com a máfia do norte que mantinha o Benfica refém devido aos direitos televisivos, via Olivedesportos. Recorde-se, nesta altura estava-se em pleno processo de revolução e expansão do mercado de transmissão audiovisual de jogos de futebol.
A reação da Olivedesportos ao rasgar do contrato, assinado por Damásio em março de 1996, levado a efeito por JVA, não se fez esperar. Porventura, já precavendo aquilo que anos mais tarde se veio a confirmar, quando o acórdão do Tribunal da Relação veio conferir razão às pretensões do Benfica ao declarar a nulidade do contrato com a Olivedesportos, esta, rapidamente gizou e colocou em prática um meticuloso plano para recuperar e conservar o monopólio dos direitos de transmissão televisiva do 1.º escalão do futebol profissional.
A Olivedesportos foi, nunca é demais recordar, comprovadamente, desde logo, no âmbito das escutas do processo "Apito Dourado”, a cabeça e principal braço de uma organização criminosa que dominou o futebol português durante décadas com recurso a esquemas de corrupção altamente elaborados e enraizados nas estruturas de poder do futebol português.
É então que a família Oliveira, com recurso ao auxílio de meia dúzia dos mais argutos agentes ao seu serviço, resolve lançar uma ofensiva muito bem planeada para recuperar a influência sobre o Benfica, Clube sem o qual perderia o monopólio dos direitos televisivos, bem como o exercício de domínio total do futebol nacional e das respectivas estruturas de decisão.
Os mais destacados agentes escolhidos pela família Oliveira para materializar o insidioso plano, meticulosamente desenhado, foram, por diversas e estruturais razões, três pessoas da máxima confiança de Joaquim Oliveira. Tendo sido eles, Luís Filipe Vieira, Luís Seara Cardoso e Tinoco de Faria.
O objectivo primordial passava, pois, por estes recuperarem os direitos de transmissão televisiva das partidas de futebol do Benfica para a Olivedesportos, com quem JVA havia rompido.
Recorde-se que Luís Filipe Vieira e Luís Seara Cardoso tinham histórico de grande proximidade ao poder corrupto do norte. Ainda recordar Tinoco de Faria, representante da RTP/Olivedesportos na disputa com o Benfica sobre direitos televisivos, cuja ética se comprovaria deficitária, mais tarde, no caso do conflito de interesses entre Benfica e TBZ, das quais era simultaneamente representante. Eram os homens indicados para interpretar e materializarem os interesses dos irmãos Oliveira no Benfica.
Acontece que cedo perceberam, juntamente com Vítor Santos e outros nomes que compunham o outro lobby interessado no Poder do Benfica, o lobby do betão, que Luís Filipe Vieira, por variadíssimas razões, não teria capacidade para destronar JVA em eleições, pelo que, em consonância com o lobby do betão, havia que encontrar uma solução de bypass. Isto é, encontrar alguém com mínimos de perfil que anuísse em vencer as eleições, frente a JVA, no ano 2000, para em seguida transmitir o poder ao seu principal homem de confiança, Luís Filipe Vieira.
A solução encontrada para dar início à operacionalização do plano passou, pois, por Manuel Vilarinho. Ele que já havia estado no Benfica como diretor financeiro da desastrosa direção presidida por Manuel Damásio e que se predispunha, de resto, como o próprio já assumiu publicamente, a assumir as expensas de derrotar JVA, para, uma vez conquistado o poder no Benfica, em seguida transmiti-lo a Luís Filipe Vieira.
E assim foi. Em, simultaneamente, boa hora por um lado, e má hora por outro lado, Manuel Vilarinho derrota JVA com recurso a um discurso profundamente populista, à geração de imensas e falsas expectativas junto dos associados, com recurso à promessa fácil de trazer Mário Jardel que ficou, no entanto, por cumprir integralmente.
Foi, ainda assim, e para o que para eles verdadeiramente importava, eficaz, e escancarou as portas a quem sempre obedeceu, tendo levado para dentro do Benfica, precisamente, quem estava previsto levar com ele. Recorde-se, Luís Seara Cardoso e Tinoco de Faria.
LFV, esse, entrou meses mais tarde, tendo aproveitado esse hiato para resolver algumas pendências e lançar as bases para outras dependências estruturais, após a sua entrada, como se verificou, nomeadamente, com o corredor de transferências entre o Alverca e o Benfica, e vice-versa. A fazer lembrar o protocolo de parceria que havia assinado com Damásio quando ainda era dirigente do Alverca, mas a um nível completamente diferente e lesivo para o Benfica.
Mas sobre LFV já muito foi dito e escrito, cabendo agora ao julgo popular e das autoridades avaliar tudo aquilo que foi feito. Ao dia de hoje, só se deixam enganar os atingidos por uma profunda cegueira, que confunde Vieirismo com Benfiquismo, pelo que, passemos, portanto, a elencar e desmistificar aquilo que aqui nos traz.
Em outubro de 2000, Manuel Vilarinho vence as eleições e herda um Benfica que tinha rasgado o contrato com a Olivedesportos e outro, financeiramente muito mais vantajoso, deixado acordado com a SIC, por JVA.
É então que Manuel Vilarinho, Luís Seara Cardoso, este umbilicalmente ligado ao poder corrupto, e Tinoco de Faria, resolvem, por assim dizer, devolver os direitos de transmissão televisiva dos jogos do Benfica à Olivedesportos, não obstante o acórdão do Tribunal da Relação, entretanto, ter vindo dar provimento às pretensões do Benfica na quebra unilateral de contrato com a Olivedesportos, levada a efeito por JVA.
O Benfica, recorde-se, vivia uma penúria financeira sem precedentes, JVA havia negociado um contrato financeiramente muito mais vantajoso com a SIC e, estes senhores, agentes ao serviço do poder-corrupto, resolvem devolver os direitos à Olivedesportos servindo-lhos numa autêntica salva de prata.
As questões que ficam por colocar, entre muitas outras, são:
  1. Uma vez que o Tribunal decidiu em favor das pretensões do Benfica, dando-nos razão no diferendo que nos opunha aos interesses dos Oliveira, por que razão a Direcção do Benfica não aproveitou o momento e o enquadramento legal favorável para negociar um novo contrato?
  2. Que razões presidiram à decisão de não promover novas negociações ou um concurso entre os demais agentes presentes no mercado televisivo e, considerando a dificílima conjuntura financeira do Benfica, à data, porque não consideraram entregar os direitos de transmissão televisiva à proposta financeiramente mais alta?
  3. Estando a Olivedesportos já amplamente identificada no seio do universo benfiquista como o “ grande inimigo”, que nos queria destruir, por que razão se privou o Benfica de outras valências financeiras para enfrentar o futuro, que tão doloroso foi, para se ir entregar assim, sem mais, os direitos de transmissão às mãos do inimigo, à Olivedesportos, sem apelo nem agravo?
  4. Quem foram as partes interessadas neste desfecho?
  5. Quem lucrou com tão danosa e dolosa decisão de gestão?
O Benfica, caras e caros benfiquistas, com terminante certeza, não foi!!
O Benfica foi perturbadora e vilmente prejudicado!!
Resultado?
O Benfica passou pelas maiores amarguras e dificuldades financeiras da sua história a expensas desta decisão, de entregar numa bandeja os direitos televisivos aos irmãos Oliveira. Assim, sem mais, depois do Tribunal ter decidido no sentido que permitia ao Benfica libertar-se do garrote financeiro com que se debatia aviltantemente. Resultado disto, o FC Porto, coincidentemente, conheceu a sua década de maiores conquistas desportivas, nomeadamente, no plano internacional, enquanto se passeava por entre óbvias e concedidas facilidades nas provas domésticas.
OS INTÉRPRETES
Mas… há mais. Muito mais.
Prova disso mesmo são os incontáveis registos fotográficos só possíveis de obter por via da enormíssima vaidade pessoal e tendência para a ostentação nas redes sociais de Luís Seara Cardoso.
Mas, é só isso? - Perguntar-se-ão.
Não, muito longe de ser apenas isso. Não obstante a comprovada intimidade com o poder corrupto em registo fotográfico, assim bem como artigos produzidos que consubstanciam tudo isto. Existem registos oficiais.
Por registos oficiais, entenda-se, registos, por ex., em Diário da República.
E o que nos provam esses registos? Comprovam que coincidentemente com, pelo menos, todo o 1.º mandato de Seara Cardoso como Vice-presidente do Benfica, este mesmo Luís Seara Cardoso partilhou responsabilidades societárias com Adelino Caldeira e Angelino Ferreira, já à data homens do topo da hierarquia do FC Porto, numa sociedade denominada “Clube Imobiliário o Beco, SA”.
https://benficalivre.blogspot.com/2020/08/A-Teia-do-Benfica-1.html
submitted by HanSolo100 to benfica [link] [comments]


2020.08.25 15:13 charliepjam Cancelamento de Casamento por conta da Pandemia

Olá amigos!
Em Julho de 2019 decidi começar a pagar um cerimonial para celebrar meu casamento em 05/09/2020. Desde então, venho pagando mensalmente parcelas do que seria o buffet + aluguel do espaço. De lá pra cá tudo mudou com a Pandemia e o cerimonial não pode mais celebrar nosso evento. Eles querem remarcar a data pra 2021 com reajuste de valores e custo adicional para segurar a data futura.
Isto me gerou um estresse, pois meu interesse era celebrar meu casamento nesta data, já que tinha outros planos com minha futura esposa para 2021, então, decidi não remarcar e sim deixar de fazer a festa e seguir minha vida casando apenas no civil.
O dono do cerimonial não aceitou muito bem a minha decisão e não aceita devolver todo o dinheiro que investi, retendo o valor de entrada (R$3000,00). Além disso, ele relata que só devolve meu dinheiro assim que voltar a realizar eventos para ter condições de nos pagar.
Apenas para somar informações: Nós moramos em uma cidade pequena e o dono do cerimonial é uma pessoa honesta, com o espaço de festas sendo conhecido em toda região.
Minha dúvida é: ele está correto em reter parte do dinheiro que investi? Ele pode propor estás condições de pagamento?
Obrigado.
submitted by charliepjam to ConselhosLegais [link] [comments]


2020.08.15 00:27 Aryell_Emrys SARS-CoV-2 e o papel da transmissão orofecal: resumo das evidências

Jefferson T, Spencer EA, Brassey J, Heneghan C. In: Analysis of the Transmission Dynamics of COVID-19: An Open Evidence Review. Published Online July 17, 2020.
Centre for Evidence-Based Medicine, University of Oxford.
Várias evidências observacionais e mecanísticas relatadas nesta coletanea de evidências, apoiam a hipótese de que o SARS-CoV-2 pode infectar e ser eliminado do trato gastrointestinal humano.
Conduta
A conduta de ação deve enfatizar a vigilância de rotina dos alimentos, águas residuais e efluentes. A importância de medidas estritas de higiene pessoal, desinfecção com cloro de superfícies em locais com atividade presumida ou conhecida de SARS CoV-2 deve fazer parte de políticas públicas e campanhas de educação. Análise de fezes deve ser realizada na alta hospitalar e/ou nas superficies das instalações de detenção bem antes da data da alta e a alta deve ser condicionada à cessação da excreção viral fecal ou quarentena estrita e medidas de higiene pessoal naqueles que ainda excretam partículas virais pelas fezes, independentemente da excreção respiratória.
Investigação
Cada surto deve ser investigado e um relatório deve ser disponibilizado ao público rapidamente. O teste de fezes deve ser realizado em todas as pessoas envolvidas no surto. Como há evidências coerentes de ingestão, penetração de enterócitos e excreção de SARs CoV-2 vivos em possível analogia com SARs e agentes MERS, acreditamos que esta hipótese de trabalho deve ser testada por meio de estudos de caso-controle durante a investigação de surtos seguindo um protocolo definido .Os casos seriam casos de Covid-19 (com um subconjunto por presença de sintomas e gravidade) excretando vírions fecalmente ou não (casos e contatos) e os controles seriam pares saudáveis.A exposição a materiais potencialmente contaminados com fezes e as medidas de proteção tomadas seriam obtidas na entrevista. Para minimizar o viés de memória e apuração, os entrevistadores devem estar cegos para o status da excreção fecal e a entrevista deve ocorrer o mais rápido possível após o evento.A viabilidade dos isolados fecais e sua possível patogenicidade devem ser testadas em surtos, independentemente da presença de sintomas ou positividade do swab nasal.
A evidência atual sugere que a SARS-CoV-2 é transmitida principalmente por gotículas respiratórias e vias de contato e pode ocorrer entre indivíduos infectados pré-sintomáticos ou sintomáticos e outros em contato próximo.Foi demonstrado que o SARS-CoV-2 contamina e sobrevive em certas superfícies, mas, atualmente, nenhum relatório demonstrou diretamente a transmissão de fômites para humanos. O SARS-CoV-2 também foi detectado nas fezes de alguns pacientes, os quais, em conjunto com a transmissão de fômites, sugerem a possibilidade de o SARS-CoV-2 ser transmitido por via orofecal.Via Orofecal descreve uma rota de transmissão onde o vírus em partículas fecais pode passar de uma pessoa para a boca de outra. As principais causas incluem a falta de saneamento adequado e más práticas de higiene. A contaminação fecal dos alimentos é outra forma de transmissão orofecal.Outros vírus de RNA de fita simples, como os norovírus, são transmitidos principalmente pela via orofecal, seja pelo consumo de alimentos ou água contaminados, seja transmitido de pessoa para pessoa diretamente.
Nesta versão, resumimos 36 estudos examinando o papel potencial da transmissão orofecal da SARS-CoV-2 e incluímos evidências mecanísticas e observacionais de outros 22 estudos. Em geral, as evidências são de qualidade baixa a moderada. Fornecemos um resumo narrativo das evidências por meio de um link no final de cada título na coluna da esquerda. O artigo original está acessível através de links no resumo.
Embora a maioria dos coronavírus humanos seja considerada como não transmissível pelas fezes, este não é o caso em animais. O coronavírus felino, por exemplo, é normalmente eliminado nas fezes de gatos saudáveis ​​e transmitido pela via orofecal a outros gatos.Os porcos também são infectados pelo coronavírus gastroenterite transmissível pela via fecal-oral. O coronavírus de morcego infecta os tratos gastrointestinal e respiratório de morcegos aparentemente sem causar doença.A transmissão após a exposição às fezes de camelo também foi considerada biologicamente plausível, embora nenhuma evidência indique se isso é possível.
Há, entretanto, evidências de que o SARS-CoV-2 pode sobreviver a condições adversas no sistema gastrointestinal. Foi identificada em amostras endoscópicas do esôfago, estômago, duodeno e reto de pacientes com COVID-19; quantidades substanciais de RNA SARS-CoV-2 foram detectadas de forma consistente em amostras de fezes. [DIng S 2020] Várias evidências observacionais e mecanísticas apresentadas ao longo deste resumo de evidências apóiam a hipótese de que o SARS-CoV-2 pode infectar e ser eliminado do trato gastrointestinal humano.
--0--
Meu comentário:
" Em um grupo de 206 pacientes hospitalizados com COVID-19 leve, os sintomas digestivos estavam presentes em mais da metade: 48 apresentaram apenas um sintoma digestivo, 69 com sintomas digestivos e respiratórios. Pacientes com sintomas digestivos tiveram uma duração mais longa entre o início dos sintomas e a eliminação viral e eram mais propensos a ser positivos para o vírus fecal (73% vs 14%, P = 0,033) do que aqueles com sintomas respiratórios.
Uma análise de 626 esfregaços de superfície no Zhongnan Medical Center em Wuhan entre 7 de fevereiro e 27 de fevereiro de 2020 revelou que 14% das 626 amostras de superfície eram positivas para RNA viral. Um terço (32%) das zonas contaminadas foram encontradas na unidade de terapia intensiva, 28% na enfermaria obstétrica especializada para gestantes com COVID-19 e 20% na enfermaria para pacientes com COVID-19. As superfícies mais contaminadas foram impressoras de autoatendimento (20%), desktop / teclado (17%) e maçanetas (16%). Dispensadores de desinfetante para as mãos (20%) e luvas (15%) foram os equipamentos de proteção mais contaminados.
De 24 de janeiro a 4 de fevereiro, três pacientes infectados em salas de isolamento de infecções transmitidas pelo ar com antessalas e banheiros tiveram amostras ambientais de superfície coletadas em 26 locais. Em dois quartos de pacientes sintomáticos, após a limpeza de rotina todas as amostras foram negativas. No quarto do terceiro paciente, as amostras foram coletadas antes da limpeza de rotina e foram consideradas positivas em 13 de 15 (87%) locais (incluindo ventiladores de saída de ar) e 3 de 5 locais de banheiro (vaso sanitário, pia e maçaneta) positivo. O paciente C tinha envolvimento do trato respiratório superior e duas amostras de fezes positivas para SARS-CoV-2 na RT-PCR, apesar de não ter diarreia.
Um estudo em fevereiro de 2020, o hospital de doenças infecciosas de Nanjing, China, amostrou aleatoriamente os quartos de isolamento de 3 leitos do hospital de doenças infecciosas designado COVID-19, em Nanjing, China. A amostragem ambiental também foi realizada em quatro salas de isolamento, um posto de enfermagem, um corredor, um sistema de ar condicionado e outros espaços na zona de doenças infecciosas transmitidas pelo ar no quinto andar do hospital. Os procedimentos de amostragem são descritos com precisão e o responsavel por coletar amostras de ar precisou ser colocado em quarentena duas vezes, apesar de usar EPI completo. O fluxo de ar também foi avaliado entre o 4º e o 5º andar do prédio usando um traçador de fumaça."
Traços virais em antessalas e banheiros tiveram amostras ambientais de superfície encontradas em ventiladores de saída de ar, vaso sanitário, pias e maçanetas.
Dispensers teclados de computador, banheiros assentos sanitários,e maçanetas de portas e dutos de exaustão de ar foram os principais hot-spots com particulas virais viáveis
O vírus vivo estava contido em 5% das amostras de fezes assintomáticas, sugerindo que a transmissão orofecal é possível. Os outros 95% testaram positivo para o vírus em amostras de fezes. Digno de nota, vários testadores designados para realizar testes de qualidade do ar daqueles com vírus não vivo contraíram COVID apesar de usarem EPI completo. O vírus foi transmitido pelo ar e infectou hospedeiros vestindo trajes tychem, respiradores N95, luvas e outros EPIs.
A transmissão do vírus pelas vias orofecal e respiratória pode ajudar a explicar a rápida disseminação da doença.
submitted by Aryell_Emrys to coronabr [link] [comments]


2020.08.10 00:26 ZinsPew Recebi meu diagnóstico de asperger

Asperger é uma forma de autismo.
Desde minha infância eu nunca me importei com interações sociais, gostava de ficar sozinho, e nunca gostei de datas como o natal e o ano novo, me sentia pior ainda quando meus pais diziam pra eu interagir mais, conversar mais com meus tios, primos e pessoas e parar de parecer um "bixo do mato". Eu sempre respondia que não me importava com isso, porém sempre me esforçava.
Um exemplo: em um almoço na minha tia, tinha muitos amigos dela, além de primos e o restante da família, eu conversei com a maioria normalmente, porém na hora do almoço eu fiz o meu prato e fui comer na sala sozinho, eu não entendi que aquilo não era normal, eu só queria ficar na minha e almoçar vendo um filme, então minha irmã veio até mim e me chamou pra ir pra lá, explicando que poderia ser falta de educação. Eu já devia ter uns 14 anos.
As conversas eram difíceis, eu não entendia sarcasmo e ironia muito bem, ficava irritado quando as pessoas ficavam dando mil voltas pra falar de um assunto, e acabei sendo grosso muitas vezes, falando na cara o que eu achava. Barulhos e luz alta também me incomodavam bastante. Filas de mercado e encontrar um conhecido na rua era uma tortura.
Hoje eu ja estou muito melhor, me socializo bem, embora abuse um pouco de álcool pra isso, não preciso de remédios, não sou tão hiperativo como era, e até a ansiedade está controlada. Minha namorada (que curiosamente é psicologa) me ajudou bastante.
Por outro lado eu ainda tenho algumas fugas sociais e preciso me programar pra esses eventos, fico irritado com luzes e barulhos altos, inclusive minha cunhada, que é uma pessoa que não entende o autismo, sempre grita refrões de músicas com uma voz aguda chata pra caraleo, e da última vez eu mandei ela calar a boca e cantar direito, só fui entender o que fiz quando todo mundo começou a me olhar com espanto... enfim é uma coisa difícil de explicar e sentir, mas não é um bixo de sete cabeças.
submitted by ZinsPew to desabafos [link] [comments]


2020.08.06 21:24 altovaliriano Novas regras

Venho informar que adicionei duas novas regras à lista de regras do subreddit. Uma delas não é realmente nova e a outra é apenas temporária.
Os tópicos que não tratem direta ou indiretamente sobre o escritor e suas obras ou as adaptações destas fogem ao tema de nosso subreddit. Portanto, nós só nos interessamos por outras pessoas e obras na medida em que elas se relacionam de alguma forma com Martin e suas obras.
-> Exemplo de tópicos relacionados que combinam com o tema do sub: 1) referências históricas dos livros de GRRM, 2) detalhes sobre processos técnicos empregados na produção da série e dos livros, 3) histórias e eventos do fandom, 4) crítica diretas ou indiretas às obras de Martin, 5) opinião dos elenco e corpo técnico de Game of Thrones sobre a própria série, os livros ou GRRM, 6) opiniões sobre obras mencionadas e/ou recomendadas por GRRM, 7) etc.
-> Exemplo de tópicos que NÃO combinam com o tema do sub: 1) Vida pessoal dos atores e produtores de Game of Thrones, 2) Outros projetos de atores e produtores de Game of Thrones sem ligação com GRRM, 3) análises de livros e séreis detalhadas que não façam conexões com GRRM ou suas obras; 4) etc.
Isso inclui até piadinhas inofensivas.
A regra, que começa a valer a partir de hoje foi inspirada no calendário das eleições 2020 do Tribunal Superior Eleitoral. Segundo este documento, a partir de hoje (06/08/2020) os meios de comunicação estão proibidos de fazer alusão direta ou indireta a candidatos. Já a data final (18/12/2020) coincide com a diplomação dos eleitos.
As datas acima estão sujeitas a alteração conforme o calendário do TSE sofra alterações (em razão do COVID-19, principalmente).
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.07.31 00:15 sadFGN 2T2020: Resultados ENGIE.

Destaques Operacionais e Financeiros:
Eventos Subsequentes:
submitted by sadFGN to investimentos [link] [comments]


2020.07.30 05:40 altovaliriano Um Julgamento de Sete para Cersei Lannister

Ao final de A Dança dos Dragões, Kevan Lannister nos conta que Cersei finalmente conseguiu nomear à guarda real o campeão invocado por Qyburn (Sor Robert Forte) e requisitou à Fé que, ao invés de ser julgada por sete juízes como ocorreu a Margaery, lhe seja conferido a provar sua inocência via julgamento por combate:
Temos duas rainhas para julgar por alta traição, como devem se lembrar. Minha sobrinha escolheu julgamento por combate, segundo me informou. Sor Robert Forte será seu campeão.
(ADWD, Epílogo)
A rainha vinha lutando para arranjar um campeão decente, haja vista que sua guarda real estava desfalcada, algo que Cersei pensava justamente em usar contra Margaery Tyrell.
Como rainha, sua honra tem de ser defendida por um cavaleiro da Guarda Real. Ora, qualquer criança em Westeros sabe como o Príncipe Aemon, o Cavaleiro do Dragão, foi o campeão de sua irmã, a Rainha Naerys, contra as acusações de Sor Morghil. Mas com Sor Loras tão gravemente ferido, temo que o papel de Príncipe Aemon tenha de cair sobre um de seus Irmãos Juramentados – encolheu os ombros. – Mas quem? Sor Arys e Sor Balon andam longe, em Dorne, Jaime está em Correrrio, e Sor Osmund é irmão do homem que a acusa, o que deixa apenas... Oh, puxa…
Boros Blount e Meryn Trant – Senhora Taena soltou uma gargalhada.
(AFFC, Cersei X)
Afinal, Blont e Trant eram considerados ambos péssimas opções.
Margaery não respondeu de imediato, mas seus olhos castanhos estreitaram-se com suspeita.
Blount ou Trant – disse por fim. – Teria de ser um deles. Gostaria disso, não? Osney Kettleblack faria qualquer um deles em pedaços.
(AFFC, Cersei X)
Entretanto, com Sor Robert a seu lado as chances de Cersei vencer seu julgamento por combate aumentam significativamente, de forma que ela poderia passar a perna na Fé e no Alto Septão. Alguém poderia arguir que a Fé gostaria de inspecionar o campeão de Cersei antes de permitir que ele entre no julgamento, porém isso seria completamente fora das regras que conhecemos até agora.
Portanto, qualquer inovação neste sentido poderia dar argumentos aos apoiadores do regime Lannister contra a transparência e legalidade do julgamento, especialmente quando se têm em mente que Cersei será julgada antes de Margaery (no epílogo, a data de Cersei foi marcada, mas não há menção sobre a de Margaery). A invenção de novas regras para Cersei poderia deixar os Tyrell e seus vassalos (e seus exércitos) pouco à vontade sobre o que esperar no julgamento de Margaery, para dizer o mínimo.
Entretanto, existe uma coisa que está no direito da Fé fazer para minar as chances de Cersei vencer com escolha de um campeão que não pode morrer, ao mesmo tempo em que aumenta-se a legitimidade e sacralidade do julgamento por combate, ao invés de reduzi-la.
Dunk estava perdido.
Vossa Graça, meus senhores – disse, dirigindo-se para o estrado. – Não entendo. O que é esse julgamento de sete?
O Príncipe Baelor se mexeu com desconforto em seu assento.
É outra forma de julgamento por combate. Antigo, raramente invocado. Veio do Mar Estreito com os ândalos e os sete deuses. Em qualquer julgamento por combate, o acusado e o acusador pedem aos deuses que decidam a questão entre eles. Os ândalos acreditavam que se sete campeões lutassem de cada lado, os deuses, sendo assim honrados, ficariam mais dispostos a intervir e garantir que o resultado justo fosse alcançado.
(O Cavaleiro Andante)
Os eventos descritos no conto ‘O Cavaleiro Andante’ ocorrem aproximadamente cem anos antes de ‘As Crônicas de Gelo e Fogo’ e já nessa época é dito que um julgamento dos Sete não ocorria “há mais de cem anos”. Porém, o conto foi lançado em 1998, antes mesmo do lançamento de A Fúria dos Reis, o que fortalece a impressão de que Martin apenas estava ensaiando o acontecimento para lança-lo em algum momento nas ‘Crônicas’.
Entretanto, quatro livros foram lançados e Martin nunca trasladou o evento dos Contos de Dunk e Egg para a saga principal. O que nos leva a crer que ele o fará agora? Bem, aparentemente, por que o novo Alto Septão gosta de honrar o número sagrados dos ândalos:
A delegação da Fé era liderada por seu velho amigo, Septão Raynard. Seis dos Filhos do Guerreiro escoltaram-no pela cidade; juntos faziam sete, um número sagrado e favorável. O novo Alto Septão, ou Alto Pardal, como o Rapaz Lua o apelidara, fazia tudo em grupos de sete.
(AFFC, Cersei VIII)
E de fato, o Alto Pardal já inovou no julgamento de Margaery Tyrell, que será julgada por sete juízes, não por coincidência, mas em referência explícita ao número sagrado dos ândalos:
Tommen ama tanto sua pequena rainha, Vossa Santidade, que temo possa ser difícil para ele ou seus senhores julgá-la com justiça. Talvez o julgamento deva ser conduzido pela Fé?
O Alto Pardal uniu suas mãos magras.
Tive essa mesma ideia, Vossa Graça. Tal como Maegor, o Cruel, tirou um dia as espadas da Fé, assim Jaehaerys, o Conciliador, nos privou das balanças da justiça. E, no entanto, quem é verdadeiramente digno de julgar uma rainha, além dos Sete no Céu e dos devotos na terra? Um número sagrado de sete juízes presidirá este caso. Três serão do seu sexo, feminino. Uma donzela, uma mãe e uma velha. Quem poderia estar mais preparado para julgar a imoralidade das mulheres?
Assim, não seria fora do personagem do Alto Pardal poderia invocar um Julgamento de Sete caso sentisse que Cersei estaria de alguma forma tentando trapacear na escolha do campeão. Afinal, quando Cersei ordenou que Osney Kettleblack confessasse ter se deitado com Margaery, o Alto Pardal foi rápido em perceber que havia algo de errado e tomar as rédeas da situação, dentro de suas competências:
Ele lhe disse a verdade. Veio ter com você de livre e espontânea vontade e confessou seus pecados.
Sim. Ele fez isso. Já ouvi muitos homens confessarem, Vossa Graça, mas raramente ouvi um homem tão contente por ser tão culpado.
(AFFC, Cersei X)
O que é mais marcante neste caso é a forma com a qual o Alto Pardal vinha conduzindo a conversa com Cersei. Ao ficarmos sabendo momentos depois que ele ouvia Cersei pedir clemência por Margaery enquanto já havia obtido a confissão de Kettleblack, percebemos a natureza perniciosa e astuta do novo Alto Septão. E a escolha de um Julgamento de Sete tem diversos desdobramentos que poderiam complicar ainda mais a absolvição de Cersei sem que ninguém pudesse dizer que o Alto Pardal a estava perseguindo ou encurralando maliciosamente.
Terei que lutar contra sete homens, então? – Dunk perguntou, desesperado.
Não sozinho, sor – o Príncipe Maekar respondeu, impaciente. – Não banque o tolo, não vai adiantar. Deve ser sete contra sete. Precisa encontrar mais seis cavaleiros para lutar ao seu lado.
(O Cavaleiro Andante)
Dessa forma, Sor Robert não poderia defender sozinho a honra da Rainha. Haveria de ter mais cavaleiros. E como Rainha, Cersei somente poderia lançar mão dos homens da Guarda Real, como ela e o Alto Pardal estavam em consenso.
[Cersei] – Isto será o melhor. Com certeza, Margaery tem o direito de exigir que sua culpa ou inocência seja provada por combate judiciário. Se assim for, seu campeão deve ser um dos Sete de Tommen.
[Alto Pardal] – Os Cavaleiros da Guarda Real serviram como os legítimos campeões do rei e da rainha desde o tempo de Aegon, o Conquistador. A Coroa e a Fé falam a uma só voz quanto a isto.
(AFFC, Cersei X)
Porém, fazer com que os Sete Cavaleiros da Guarda Real compareçam a Porto Real não será possível. Jaime e Balon Swann estarão em missões próprias sem comunicação direta com Porto Real. Loras está mortalmente ferido em Pedra do Dragão. Dessa forma, só restariam a Cersei 4 cavaleiros: Robert Forte, Meryn Trant, Boros Blount e Osmund Kettleblack.
Só que a situação de Sor Osmund também é complexa, haja vista que “Sor Kevan jogara Osmund Kettleblack (e seu irmão Osfryd) nos calabouços na mesma hora em que Cersei confessara que tomara os dois homens como amantes” e o plano é que eles sejam enviados “a Muralha, se admitirem sua culpa. Se a negarem, podem encarar Sor Robert.” (ADWD, Epílogo).
Assim, mesmo que por alguma ventura Sor Osmund venha a lutar no julgamento de Cersei seria difícil de acreditar que ele lutaria até a morte para defender a rainha. E as regras do julgamento de Sete permitem que um cavaleiro se renda ao invés de lutar até a morte.
Se Sor Duncan for morto, significará que os deuses o julgaram culpado, e a disputa estará acabada. Se ambos os acusadores forem mortos ou retirarem as acusações, significará o mesmo. De outro modo, todos os sete de um lado ou do outro deverão perecer ou se render para que o julgamento termine.
(O Cavaleiro Andante)
De todo modo, a questão é que Cersei teria que destituir Jaime, Balon e Loras (e talvez Osmund) e arranjar 3 (ou 4) novos guardas reais para entrar no julgamento, o que parece especialmente difícil no momento atual.
Especialmente se Mace Tyrell se tornar regente de Tommen com a morte de Kevan Lannister, pois aí a seleção dos guardas reais necessariamente passaria por seu crivo. Isso dificultaria que Cersei arranjasse mercenários (como Bronn), ávidos para ganhar o favor da Rainha. Sem falar que Mace dificilmente aceitaria a destituição de seu filho da guarda real (mas a depender das compensações oferecidas pode pensar melhor).
A questão é que estas dificuldades seriam extremamente convenientes para a Fé, uma vez que o não preenchimento destes requisitos poderia acabar com o julgamento antes mesmo de ele começar, o que tornaria a nomeação de Sor Robert completamente inútil.
Ou seja, se Cersei não conseguir que a guarda real inteira compareça a seu julgamento, ou não consiga formar uma nova guarda, será considerada culpada de todos os crimes, antes mesmo que qualquer combate se realize.
Vossa Graça, meus senhores – ele disse –, e se ninguém quiser ficar ao meu lado?
Maekar Targaryen olhou para ele friamente.
Se a causa é justa, bons homens lutarão por ela. Se não conseguir encontrar campeões, sor, significa que é culpado. Pode algo ser mais claro?
(O Cavaleiro Andante)
Aqui me parece haver duas possibilidades.
A primeira é que Cersei não consiga suprir a regra, seja condenada, tenha sua execução agendada para depois do julgamento de Margaery, mas durante este evento a Rainha Mãe execute a Conspiração do Fogovivo 2.0. Dessa forma, não veríamos Sor Robert em ação no julgamento, mas ele seria poupado para posteriores atos de grande violência.
A segunda é que Cersei consiga arranjar os guardas reais reminiscentes entre homens de lealdade duvidosa e Mace Tyrell os aprove tanto por pressão, quanto por acreditar que eles não sobreviverão ao julgamento, ou mesmo que se renderão ao primeiro sinal de dificuldade. Entretanto, Sor Robert será capaz de vencer praticamente sozinho todos os sete campeões da Fé, em um feito sobrehumano de combate. E assim a Rainha estará livre, mas ainda assim executaria a Conspiração do Fogovivo 2.0.
.
O que vocês acham? Acham que poderá acontecer assim?
Pensam que Sor Osmund será permitido a lutar? Cersei conseguiria achar os guardas reais restantes? Quem seriam possíveis candidatos à nova guarda de Cersei?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.07.23 10:36 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte III – A PREPARAÇÃO INTRODUÇÃO pt 10 a 3ra fase do CACD

Em primeiro lugar, lembro uma coisa muito simples: terceira fase não é segunda fase. Você não precisa se preocupar com propriedade vocabular, vírgulas antes de orações subordinadas reduzidas de infinitivo e coisas do tipo. É óbvio que não vale escrever completamente errado também, mas o que eu quero dizer é que a banca da terceira fase nem sabe das exigências da segunda fase direito, então não precisa se preocupar tanto com aspectos formais da escrita. Obviamente, a necessidade de ter uma tese central e alguns argumentos que a comprovem de maneira coerente permanece, mas isso não é novidade para ninguém. A importância do aspecto formal da terceira fase não está nas palavras e nos termos de uma oração, mas na sequência lógica de argumentos.
Algo bastante importante nas provas de terceira fase é destacar um argumento central, uma tese que responda à questão e que lhe permita apresentar exemplos/construções teóricas e desenvolver argumentos que a comprovem. Nessa situaç~o, vale a velha “fórmula” de dissertaç~o: introdução (com a tese central), argumentação (com uma ideia central por parágrafo, com argumentos que comprovem sua tese central) e conclusão (com retomada da tese e com articulação dos argumentos apresentados). Não há um número ideal de parágrafos, vale o bom senso (evitar parágrafos com apenas uma frase ou excessivamente grandes, mas não é necessário que tenham quase o mesmo tamanho, por exemplo, como ocorre na segunda fase).
Evite juízos de valor muito expressivos. Obviamente, tudo o que você escreve contém um pouco de subjetividade, mas evite adjetivações excessivas e algumas construções, como “é importante ressaltar que…”, “vale lembrar que...” ou “fato que merece destaque é…”.
Evite listagens longas e/ou imprecisas. Por exemplo: se você não se lembra de todos os países que fazem parte de determinado grupo, ou se eles são muitos, evite citações de todos os países (na verdade, não sei por qual motivo alguém iria querer citar os membros de um grupo assim, mas vai que precisa de algumas linhas de “enrolaç~o”, não é?). Ex.: “A UNASUL é composta por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela”.
Preferir: “A UNASUL é composta pelos doze países latino-americanos (à exceção da Guiana Francesa)” ou “A UNASUL é composta pelo agrupamento dos membros do MERCOSUL e da CAN, acrescidos do Chile, do Suriname e da Guiana”. Quanto a imprecisões, evitar, por exemplo: “A UNASUL é composta por Brasil, Argentina, Venezuela, entre outros”. Se você n~o se lembra de todos ou se o número de países é relativamente grande para citar todos, opte ou pelas alternativas anteriormente apresentadas ou, pelo menos, por algo como “Na UNASUL, destacam-se o Brasil – por sua dimensão territorial, por sua população e por seu peso político-econômico –, a Argentina – importante mercado emergente, com forte setor agrícola voltado à exportação e com indústria diversificada – e a Venezuela – detentora de recursos naturais estratégicos e grande exportadora de petróleo”.
Evite, também, citações e menções excessivas. Elas não devem constituir a base de sua resposta. Excesso de citação de eventos pode ser um problema. Obviamente, citar datas, conceitos e períodos é fundamental, mas o problema começa quando essas referências ocupam frases inteiras, sem argumentação e sem sequência lógica de relações. Veja os Guias de Estudos antigos, para ter uma noção do tipo de resposta preferido pela banca. O importante é não exagerar, para o texto não ficar carregado de informações que, ainda que úteis, não sustentam a tese que responde à questão de maneira consistente. Para conceitos menos conhecidos, convém citar a fonte (de todo modo, ainda que certos conceitos, como “Estado normal”, sejam consagrados na literatura sobre política externa brasileira, dizer que “o país entrou, assim, no período que Amado Cervo define como ‘Estado normal’” me parece boa estratégia – até porque o próprio Amado Cervo já foi da banca corretora vez ou outra; o José Flávio Sombra Saraiva é outro que tenho certeza de que irá adorar ver seu nome mencionado em uma resposta).
Algo bastante útil é evitar criar (e cair em) armadilhas. Se você sabe, por exemplo, que o Pacto Andino foi firmado em 1969, mas não tem certeza se a organização aí criada já se chamava Comunidade Andina de Nações, por exemplo, opte por uma formulação de resposta que evite comprometer-se quanto a isso. Uma sugest~o seria, por exemplo: “Firmado em 1969, o Pacto Andino consubstanciou importante passo para a criaç~o da Comunidade Andina de Nações (CAN)”. Desse modo, você evita incorrer no erro de atribuir ao Pacto a responsabilidade pela criação da CAN, sem deixar de destacar sua importância para que isso ocorresse posteriormente. Evite, também, conceitos “politicamente incorretos” ou em desuso, como “governo neoliberal” (preferir “governo associado aos princípios do Consenso de Washington”, por exemplo), “país subdesenvolvido” (preferir “país de menor desenvolvimento relativo”, por exemplo) etc.
Para boa parte dos argumentos a ser empregados na terceira fase, a leitura atenta e o fichamento das melhores respostas dos Guias de Estudos anteriores podem ajudar bastante. Eu tive um professor de cursinho, o Ricardo Macau, que gostava de dizer que o intuito de fichar os Guias de Estudos era, simplesmente, roubar argumentos. Ninguém precisa inventar novos argumentos, para tentar “chocar” a banca. Se a banca publica um Guia de Estudos anualmente, dizia ele, é para mostrar a todos os candidatos o que ela queria ler como resposta naquela questão e o que ela quer ler nas respostas dos concursos dos anos seguintes. Dessa maneira, não há nenhum constrangimento em fichar os principais argumentos das provas dos anos anteriores e em usá-los nas questões pertinentes da terceira fase. Alguns desses argumentos foram muito úteis para mim, especialmente nas provas de História do Brasil, de Política Internacional e de Direito.
Uma coisa que pouca gente fala é que os Guias de Estudos nem sempre são cópias fidedignas das respostas dos candidatos. A organização do concurso entra em contato com os autores das respostas selecionadas e solicita que os próprios autores digitem suas respostas. Os candidatos podem fazer eventuais alterações pontuais de algumas imprecisões, mas alguns poucos acabam exagerando. Para quem está se preparando para o concurso, não poderia haver nada pior, já que não podemos ter uma noção exata de qual tipo de resposta foi avaliado como suficiente pelos examinadores (por saber que era possível alterar, eu sempre ficava em dúvida: será que ele/ela ganhou essa nota escrevendo tudo isso mesmo?). J vi gente dizendo que “quem consegue fazer as melhores respostas deu sorte, porque fez mestrado ou doutorado no assunto, pelo menos”, e isso é completa mentira. O que ocorre é que essas pessoas souberam conjugar estudo eficiente e capacidade de desenvolvimento analítico diferenciada que sejam convertidos em uma argumentação clara e consistente. Para isso, não tem mestrado ou doutorado que adiante. Em algumas questões, você sente ser capaz de escrever o dobro ou ainda mais sobre aquele assunto (principalmente, nas questões de 60 linhas), mas o que mais conta, no fim das contas, é a forma, o modo como você organiza suas ideias, os argumentos de que você faz uso etc.
Na prova de História do Brasil, alguns temas são mais ou menos recorrentes. Definição das fronteiras nacionais, política externa do Império, política externa dos governos Quadros-Goulart (Política Externa Independente), política externa dos governos militares (especialmente, Geisel), relações do Brasil com a América do Sul (destaque para as relações Brasil-Argentina desde o século XIX), relações do Brasil com a África (do período da descolonização até a década de 1980). Obviamente, há inúmeros outros temas (bastante pontuais às vezes) que também são cobrados, mas eu acho que, se eu tivesse só uma semana, para estudar tudo de História do Brasil, eu escolheria esses temas. Ainda que eles não sejam cobrados diretamente, podem ser encaixados em muitas outras questões.
A prova de Inglês consiste de uma tradução do Inglês para o Português (valor: 20 pontos), de uma versão do Português para o Inglês (valor: 15 pontos), de um resumo de texto em Inglês (valor: 15 pontos) e de uma redação sobre tema geral (valor: 50 pontos). As notas de Inglês são, geralmente, bem mais baixas que as das demais provas, o que, considerando que boa parte dos candidatos que chega à terceira fase tem alguma experiência no domínio avançado da língua inglesa (acredito eu), é claro sinal de que a cobrança é bastante rigorosa, e apenas conhecimentos básicos da língua não são suficientes.
Quanto à tradução e à versão, não tenho muito a dizer. Há dedução de 1,00 ou de 0,50 pontos (dependendo do tipo de erro) do valor total do exercício para cada erro de tradução13. O vocabulário cobrado nem sempre é muito simples (um ou outro termo pode ser mais complicado), mas, em geral, não há muitos problemas. Normalmente, as notas da tradução são bem maiores que as notas da versão. Um pequeno “problema” nas traduções e nas versões é o seguinte: o examinador escolhe, tanto nas traduções para o Português quanto nas versões para o Inglês, algumas expressões que ele quer, obrigatoriamente, que o candidato use determinados termos que correspondam àquela palavra ou expressão na outra língua. Assim, por exemplo, se há o termo “vidente”, para ser traduzido para o Inglês, e se o examinador escolheu essa palavra, para testar os candidatos, você ser penalizado, se tentar dizer isso com uma express~o como “a person who foresees” ou coisa do tipo. Se o examinador, entretanto, não houver escolhido essa palavra como teste, você poderá não perder nenhum ponto por isso. O maior problema é que, obviamente, você não sabe quais são as expressões que serão escolhidas enquanto faz a prova. Pode ser que uma expressão para a qual você não conhece a tradução exata não seja uma das escolhidas pelo examinador, e dizer a mesma coisa de outra maneira (com uma frase ou com uma expressão mais longa que exprima o mesmo sentido) pode não implicar penalização. Enfim, não há como saber isso antecipadamente, então a melhor alternativa é, sempre, a tradução o mais fidedigna possível. De toda forma, se não souber, aí não tem jeito, invente alguma coisa, pode ser que seja aceita. Só nunca, nunca, deixe um espaço em branco, pois isso atrai os olhos do examinador, e ele saberá que já tem algo faltando ali. Mesmo que você não tenha nenhuma ideia do que alguma coisa signifique ou de como traduzir, invente palavras, crie sinônimos que não existem, faça qualquer malabarismo linguístico que estiver a seu alcance, só não deixe espaços em branco. Como os examinadores corrigem mais de duzentas provas (números de 2010 e de 2011), pode ser que alguns erros acabem passando despercebidos.
13 Segundo o Guia de Estudos: menos 1,00 pontos por falta de correspondência ao(s) texto(s)-fonte, erros gramaticais, escolhas errôneas de palavras e estilo inadequado; menos 0,50 pontos por erros de pontuação ou de ortografia. Apesar dessa previsão no Guia de Estudos, a banca também tem considerado, nos últimos concursos, que também se subtraem 0,50 pontos por erro de preposição, ao invés de 1,00 pontos.
O resumo do texto em Inglês costuma surpreender alguns candidatos com baixas notas. A atribuição de pontos é feita de acordo com uma avaliação subjetiva que considera várias coisas: quantidade de erros, abrangência de todos os pontos selecionados pelo examinador como os mais importantes do texto etc. Não é necessário incluir exemplos no resumo, que deve, com suas palavras, abranger todos os principais temas discutidos no texto, seus argumentos e sua linha de raciocínio (os temas e os argumentos podem ser apresentados na ordem que você considerar mais interessante, não é necessário seguir a ordem do texto). No resumo, não se emite opinião sobre o texto, e n~o é necessrio dizer “o autor defende”, “segundo o autor” (em Inglês, obviamente). Como se trata do resumo de um texto, é evidente que tudo o que está ali resume as opiniões do autor. Não é necessário fazer uma introdução e uma conclusão, você perderá muito espaço, e não é esse o objetivo do resumo. Seja simples e direto, acho que é a melhor dica.
O comando indica um máximo de 200 palavras, mas eles não contam. Já vi professores dizendo para que os alunos fizessem, obrigatoriamente, entre 198 e 200 palavras, mas, se você buscar os Guias de Estudos anteriores, verá que há resumos que fogem a esse padrão (para baixo ou para cima) e que foram escolhidos como o melhor resumo daquele ano. É claro que você não vai escrever 220 palavras, mas acho que umas 205, mais ou menos, estão de bom tamanho (escrevi um pouco mais de 200, acho que 203, não sei). A professora do cursinho de terceira fase dizia que podíamos fazer até cerca de 210 (desde que a letra não fosse enorme, para não despertar a curiosidade do examinador) que não teria problema. É claro que o foco deve estar nos 200, esse valor superior é apenas para o caso de lhe faltarem algumas palavras, para encerrar o raciocínio.
Em 2011, os 15,00 pontos do resumo foram divididos em duas partes: 12,00 pontos para a síntese dos principais aspectos do texto e 3,00 pontos para linguagem e gramática. O examinador determinou que havia seis tópicos principais do texto que deveriam ser incluídos no resumo e atribuiu até dois pontos para a discussão de cada um desses tópicos. Obviamente, não há como saber quantos serão esses tópicos. O melhor a fazer é tentar tratar de todos os aspectos mais importantes do texto com o mínimo possível de palavras. Se sobrarem 10 ou 15 palavras, não desperdice, faça uma frase a mais, quem sabe isso pode lhe render alguns preciosos décimos a mais.
A redação em Inglês é de 45 a 60 linhas, com valor de 50 pontos. Esses 50 pontos são distribuídos em: planejamento e desenvolvimento (20 pontos), qualidade vocabular (10 pontos) e gramática (20 pontos), com penalização de 1,00 ou de 0,50 pontos por erro, de acordo com o tipo de erro14 (descontados da parte de gramática). Nota zero em gramática implica nota zero na redação (logo, cuidado para não zerar). Há penalização de 1,00 pontos para cada linha que faltar para o mínimo estabelecido.
Normalmente, a redação trata de temas internacionais de fácil articulação. Não há recomendações de número de parágrafos, de número de linhas por parágrafo ou coisa do tipo. As principais coisas a observar são: ter uma tese central, usar argumentos que a sustentem, e, sobretudo, fornecer exemplos. Ao ver espelhos de correção de concursos anteriores no cursinho, fica evidente que muitas notas de planejamento e desenvolvimento são mais baixas devido à ausência ou à insuficiência de exemplos, como indicam os comentários dos examinadores em provas anteriores (a prova de Inglês é a única da terceira fase que vem com comentários e com marcações). Eu diria, portanto, que é necessário prestar atenção na argumentação coerente que comprove a tese, é claro, e no fornecimento de vários exemplos que sustentem a argumentação apresentada. É claro que só listar dezenas de exemplos pode não adiantar nada, mas, se você souber usá-los de maneira coerente, como complemento à argumentação, acho que poderá ser bem recompensado por isso. Ao contrário do que já vi dizerem por aí, não há penalizaç~o por “ideologia” discrepante daquela da banca. Aproveitando a temática da prova de 2001, não interessa se você é contra ou a favor da globalização, o importante é elencar argumentos fortes e sustentá-los com exemplos pertinentes.
14 Segundo o Guia de Estudos, menos 1,00 pontos por erro (exceto para erros de pontuação ou de ortografia, para os quais há subtração de 0,50 pontos). Apesar dessa previsão no Guia de Estudos, a banca também tem considerado, nos últimos concursos, que também se subtrai 0,50 pontos por erro de preposição, ao invés de 1,00 pontos.
Por fim, a parte de qualidade vocabular não se refere só ao uso de construções avançadas de Inglês (inversões, expressões idiomáticas etc.). De nada adianta usar dezenas de construções avançadas, se você tiver muitos erros de gramática. Os 10 pontos de qualidade vocabular levam em consideração tanto o número de construções avançadas que você usou quanto o número de erros de gramática que você teve. Ainda que você use poucas construções avançadas, se não errar nada de gramática (ou se errar muito pouco), sua nota nesse quesito deverá ser bem alta. Dessa forma, acho que o melhor a fazer é preocupar-se, primeiramente, com gramática. Uma pequena lista de expressões idiomáticas passíveis de se empregar, combinada com o uso de construções mais avançadas (como inversões, por exemplo), já pode significar boa nota de qualidade vocabular, se você não perder muitos pontos de gramática. Não vou dizer quais usei, senão todo mundo vai usar as mesmas e ninguém vai ganhar pontos. Usem a criatividade: vejam expressões diferentes, palavras conotativas apropriadas, verbos e palavras mais “elaborados” etc.
Em resumo, acho que o principal da redação é: errar pouco em gramática e fornecer exemplos. Com isso e com bons argumentos, sem fugir ao tema, eu diria que há boas chances de uma nota razoável.
A prova de Geografia é, a meu ver, uma das mais chatas e imprevisíveis. Cada ano, a prova é de um jeito, ora cobra Geografia física, ora cobra teoria da Geografia etc. No geral, acho que a banca não tem muita noção de que está avaliando conhecimentos importantes para o exercício da profissão de diplomata, não de geógrafo. Assim, frequentemente, aparecem algumas questões bem loucas. O bom das questões mais chatas de Geografia é que a banca costuma ser mais generosa na correção. Há alguns anos, uma questão sobre minérios na África, por exemplo, aterrorizou muitos candidatos, mas, na hora da correção, segundo um professor de cursinho, as notas não foram tão baixas. Por isso, não se preocupe tanto com essas questões mais espinhosas que, eventualmente, aparecem na terceira fase de Geografia.
Em 2011, uma das questões (sobre navegação de cabotagem no Brasil, na década 2001-2010) havia sido tema de uma reportagem do programa Globomar duas semanas antes da prova. Para falar a verdade, eu não sabia nem o que era Globomar, se era uma reportagem do Fantástico, um quadro do Faustão ou a nova novela das sete, mas, como um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar, não custa nada informar para que você fique atento a algumas dessas questões mais recentes. Não precisa gravar e tomar notas de todo Globomar daqui para frente. Dar uma olhada nos temas desse tipo de programa, de vez em quando, já deve ser mais que suficiente. Vale dizer que o mais importante é, sempre, Geografia do Brasil. Não precisa assistir o National Geographic sobre monções no Sri Lanka, porque não vai cair. De todo modo, assuntos relativos à costa e ao litoral brasileiros são reincidentes no concurso.
Muitos falam sobre a necessidade de usar o “miltonsantês”, como s~o conhecidos os conceitos de Milton Santos, nas respostas de terceira fase. É algo meio batido, mas acho que todo mundo que faz, pelo menos, o cursinho preparatório para a terceira fase deverá ouvir alguma coisa a respeito, então não se preocupe com isso. Se der para usar alguns conceitos em determinadas questões, use sem exageros. Esses termos podem render bons olhos com a banca, mas ninguém tira total só porque escreveu dez conceitos miltonianos na resposta.
Algumas argumentações s~o “coringas” em Política Internacional. Alguns conceitos, como “multilateralismo normativo”, “postura proativa e participativa”, “articulaç~o de consensos”, “reforma da ordem”, “juridicismo”, “pacifismo”, “pragmatismo”, “autonomia pela participaç~o” etc., poderão ser encaixados em quase todas as respostas de terceira fase. Relações Sul-Sul, América do Sul, BRICS, IBAS, África também são temas que poderão ser empregados em diversos contextos (temáticas recorrentes nos últimos concursos). Desse modo, saiba usar esse conhecimento a seu favor. Se há uma questão que pede comentário sobre algum aspecto da política externa brasileira contemporânea, citar esses conceitos já pode ser bom começo.
Não custa nada lembrar que você está fazendo uma prova para o Ministério em que você pretende trabalhar pelo resto da vida. Criticar a atuação recente do MRE não é sinal de maturidade crítica ou coisa do tipo, pode ter certeza de que n~o ser bem visto pela banca corretora. N~o precisa “puxar o saco” do governo atual descaradamente, mas considero uma estratégia, no mínimo, inteligente procurar ressaltar que, apesar de eventuais desafios à inserção internacional do Brasil, o país vem conseguindo alçar importantes conquistas no contexto internacional contemporâneo, como reflexo de sua inserção internacional madura, proativa e propositiva. Na prova de 2011, a prova da importância de saber a posição oficial do MRE com relação a temáticas da política internacional contemporânea ficou evidente em uma questão que pedia que se discutisse a situação na Líbia, apresentando a posição oficial do governo brasileiro e os motivos para a abstenção do Brasil na votação da resolução 1.973 do Conselho de Segurança da ONU. Saber a posição oficial do governo sobre os principais temas da agenda internacional contemporânea é fundamental na terceira fase. Na primeira fase também: em 2011, um item dizia que o MRE usava a participação na MINUSTAH como “moeda de troca” para o assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. Por mais que a mídia sensacionalista diga isso e por mais que você, porventura, acredite nisso, não é essa a posição oficial do Ministério, então isso não está correto e ponto. Seja pragmático e tenha, sempre, em mente que você está fazendo uma prova para o governo. Em dúvida, pense: o que o governo brasileiro defende nessa situação? Essa posição vale tanto para a primeira fase quanto para a terceira.
Com relação à prova de Direito, é uma avaliação, a meu ver, bastante tranquila e uma das mais bem formuladas. Não há grandes segredos, e a leitura (acompanhada do fichamento) dos Guias de Estudos antigos é fundamental. Muitos estilos de questões repetem de um ano para o outro, e alguns argumentos gerais sobre o fundamento de juridicidade do Direito Internacional Público, por exemplo, são úteis quase sempre. Ultimamente, a probabilidade de questões sobre Direito interno propriamente dito tem sido reduzida a temáticas que envolvam o Direito Internacional (como a questão sobre a competência para efetuar a denúncia a tratados, cobrada em 2010). Em Direito Internacional Privado, o que já foi cobrado do assunto, em concursos recentes, esteve relacionado à homologação de sentença estrangeira, assunto bastante básico e tranquilo de estudar. Em Direito Internacional Público (DIP), atenção especial à solução de controvérsias (meios pacíficos, meios coercitivos, meios jurídicos e meios bélicos), ao sistema ONU e ao sistema de solução de controvérsias da Organização Mundial do Comércio, além do supracitado fundamento de juridicidade do DIP (“afinal, por que o DIP é Direito?”). Uma dica que vale tanto para as questões de Direito quanto para as de Economia é tomar cuidado com o número de linhas. Como há questões de 60 e de 40 linhas, corre-se o risco de perder muito espaço com argumentos e ilustrações não necessários à questão. Nas provas dessas duas matérias, não acho que seja tão necessário preocupar-se tanto com a introdução e com a conclusão nas questões de 40 linhas (nas de 60, se houver, devem ser bem curtas), pois não há espaço suficiente para isso. Em minhas provas de terceira fase, apenas respondi a essas questões de 40 linhas diretamente.
A prova de Economia mudou muito, se você comparar as provas de 2008-2009 às de 2010-2011, por exemplo. Anteriormente, havia questões enormes de cálculos, equações de Microeconomia etc. Em 2010, a única questão que envolvia cálculo era ridiculamente fácil. Em 2011, para melhorar a situação daqueles que não gostam dos números, não havia um único cálculo nas questões, todas elas analíticas. Além disso, as cobranças anteriores de Economia Brasileira focavam, especialmente, no período da República Velha (isso se repetiu em 2010). Em 2011, até mesmo o balanço de pagamentos atual do Brasil e a economia dos BRIC na atualidade foram objetos de questões. Talvez seja uma tendência da prova de Economia dos próximos anos, de priorizar o raciocínio econômico, em detrimento dos cálculos matemáticos que aterrorizavam muitos no passado. Ainda que eu não tenha problemas com cálculo (e goste bastante, inclusive), devo admitir que me parece muito mais coerente cobrar economia dos países do BRIC do que insistir nos cálculos de preço de equilíbrio, quantidade de equilíbrio, peso-morto etc., se considerarmos que se trata de uma prova que visa a selecionar futuros diplomatas (aí está uma lição que a banca de Geografia precisava aprender).
Ainda que, à primeira vista, esse novo tipo de prova possa parecer mais fácil, pode não ser tão tranquilo quanto parece. Por mais contemporâneas que as questões sejam, acho que os candidatos correm o sério risco de confundir a prova de Economia com uma prova de Política Internacional (por envolver BRIC, por exemplo). Lembre-se, sempre, de que quem corrige as provas de Economia são economistas. Como economistas, eles valorizam o raciocínio econômico, com o uso de conceitos econômicos, e é isso o que deve ficar claro, em minha opinião, em questões como essa. Tenho maior facilidade com esse raciocínio econômico e com os conceitos da disciplina, por haver participado da monitoria de Introdução à Economia da UnB por quatro semestres. A quem não teve essa experiência, para acostumar-se a esse “economês”, nada melhor que bons noticirios de Economia:
- Brasil Econômico: http://www.brasileconomico.com.b
- Financial Times: http://www.ft.com/home/us
- IPEA: http://agencia.ipea.gov.b
- O Globo Economia: http://oglobo.globo.com/economia/
- The Economist: http://www.economist.com/
- Valor Econômico: http://www.valoronline.com.b, entre vários outros.
Obviamente, não precisa ficar lendo todas as notícias postadas em todos esses sites, todos os dias. Já tentei o esquema de ler uma notícia por dia de uns cinco sites de notícias e cansei facilmente. Não acho que seja possível dizer um número ideal de notícias econômicas lidas por semana, mas sei lá, umas duas ou três já são melhor que nada.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:22 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte III – A PREPARAÇÃO INTRODUÇÃO pt 5 ferramentas (2011)

Algumas ferramentas virtuais úteis que podem auxiliar em sua preparação para o CACD são:
- Blog Estudos Diplomáticos: http://estudosdiplomaticos.blogspot.com/
- Boiling Neurons: http://boilingneurons.com/ (resumos para o CACD; não tem muita coisa, mas pode haver algo de útil)
- grupo “Instituto Rio Branco” no Facebook: http://www.facebook.com/groups/institutoriobranco/
- biblioteca virtual do grupo do Facebook, com diversos materiais para a preparação, como textos, resumos, espelhos de provas de anos anteriores etc. (vale dizer que nem tudo ali é leitura indispensável, mas há algumas coisas boas):
http://www.4shared.com/account/diYU1dnvts/sharing.html?rnd=81
- comunidade “Coisas da Diplomacia” no Orkut: http://www.orkut.com.bCommunity?cmm=40073 – é verdade que o Orkut está ultrapassado, razão pela qual a comunidade deve ficar mais vazia a cada dia. O que havia de mais interessante nela eram tópicos antigos sobre a carreira, sobre o concurso etc. Li dezenas desses tópicos e procurei reuni-los neste documento, para que você não tenha de entrar na comunidade e fazer toda a busca de novo, como eu fiz. Com o crescimento do grupo do Facebook, acho que a comunidade tem ficado completamente dispensável. Cito-a apenas para o caso de alguém só ter Orkut, não Facebook.
- Diário de uma Jovem Diplomata: http://jovemdiplomata.blogspot.com/
- Fichas Marra: http://fichasmarra.wordpress.com/ (clippings e resumos para o CACD)
- grupos de emails: “CACD IRBr” (http://br.groups.yahoo.com/group/cacdirb); “Dilogo Diplomtico” (http://br.groups.yahoo.com/group/dialogodiplomatico/).
- Introdução à Economia – UnB: http://www.unb.bface/eco/inteco/ (página da disciplina de Introdução à Economia da UnB, com muitas listas de exercícios, textos, vídeos e reportagens interessantes de Economia).
- Podcasts da Rádio Ponto – UFSC (há alguns podcasts interessantes sobre História, por exemplo): http://www.radioponto.ufsc.bindex.php?option=com_content&view=category&id=3&Itemid=3 http://www.radioponto.ufsc.bindex.php?option=com_content&view=category&id=6&Itemid=6
- Política Externa: http://www.politicaexterna.com/
- REL UnB: http://relunb.wordpress.com/ (já citado anteriormente, contém vários resumos, dicas, textos e obras completas para download de diversos temas de Relações Internacionais).
- Site do MRE: http://www.mre.gov.b (há muita informação útil, muitos “resumos” de determinados conteúdos de política externa brasileira, além de seleções diárias de notícias dos principais jornais do Brasil e do mundo).
📷 Decorar datas, fatos, nomes etc. pode ser muito chato. Por isso, nada melhor que inventar maneiras alternativas de fazê-lo. Inventei músicas, recursos mnemônicos, tudo que pudesse ajudar a lembrar- me das coisas mais facilmente. Com caneta de quadro branco, eu escrevia algumas dessas coisas no azulejo do banheiro e ficava decorando durante o banho. Antes do concurso, eu acharia isso exagero e loucura. Hoje, acho que foi importantíssimo para me ajudar a gravar muitas informações, como nomes de presidentes e de chanceleres, dados estatísticos, datas, eventos. Nas semanas das provas de terceira fase, a parede sempre ficava cheia de coisas das matérias da respectiva semana. Durante as provas, alguns desses esquemas que fiz ajudaram bastante (principalmente História do Brasil, Política Internacional e Direito; anotei e decorei algumas palavras e expressões “bonitas” para a redação de Inglês também).
Além disso, fiz, imprimi e colei na parede, em frente à minha mesa de estudos, uma linha do tempo com os nomes de todos os presidentes do Brasil e de seus respectivos chanceleres (apenas os chanceleres do Barão do Rio Branco para cá, exceto os interinos), dos presidentes norte-americanosapós a década de 1920 (e dos Secretários de Estado do Kissinger para cá), dos reis/rainhas e dos primeiros-ministros britânicos (os mais importantes a partir da Primeira Guerra Mundial) e de todos os presidentes argentinos desde Perón (primeiro mandato). Sempre que queria dar um tempo nas leituras, eu virava para a linha do tempo e decorava alguma coisa. Esse documento está disponível para download no “REL UnB”.
Todas essas informações podem ser de grande valia, para ser empregadas como complemento a uma resposta na terceira fase. No mínimo, impressiona um pouco a banca, o que já é alguma coisa. É claro que, se você estiver com muito menos tempo que eu tive de preparação, isso pode não ser possível. De todo modo, fica a sugestão.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.20 02:05 KimiTanoshimu MTBY Patch notes 2.0

Caros amantes de mobiliário e indivíduos com o coração partido, temo dizer que hoje acaba a nossa primeira competição memeástica. Têm até às 23:59 de hoje para tecerem os vossos melhores memes ou as vossas mais afinadas diss tracks. Sem data definida, mas provavelmente amanhã ou no dia a seguir anunciaremos os resultados. Tal como dito previamente, haverão 3 formas de vencer, post com mais upvotes à 00:00 e com a flair correta, post com mais votos dados pelos mods, cada mod escolherá três memes e o meme com mais votos será o vencedor e por fim um personal favourite meu. Por fim, gostava de destacar que se não houver correspondência entre os memes escolhidos pelos mods passará a pessoa com mais memes escolhidos por estes. Concluindo, gostava também de anunciar um novo evento no sub, a Special Weekend! Em cada destas abordaremos vários temas especificamente, mas principalmente isto irá afetar os memes. Em cada semana destas teremos uma mini competição memeástica sobre os memes de cada tema. A flair para estes posts será feita brevemente após este post. Desta forma, desta segunda até ao próximo domingo falaremos sobre Marvel, ou seja, teremos principalmente e não apenas, memes relacionados com a Marvel. Podem ser mais amplos e não falar propriamente apenas de mim e dêem o vosso melhor. O vosso querido, amado e carinhoso Mário que tem preguiça de reler este texto enorme por isso se existir algum erro avisem-me. Cyu.
submitted by KimiTanoshimu to mariotoldbyyou [link] [comments]


¿Qué hace un organizador de eventos?  Entrevista a ... CALENDÁRIO DE EVENTOS THE SIMS FREEPLAY Herramientas para Big Data de Microsoft - YouTube DASN SIMEI Extinção? Data do Evento? Será Que Sem Querer ... #02 - Tipos de eventos que você precisa conhecer - YouTube 0012 - CRUD Eventos REST Dataware com FDMemTable ¿Qué hace un Data Scientist? - YouTube Independencia de eventos - YouTube O que é Big Data - Conceitos básicos - YouTube

Por qué manejar la data de tus eventos requiere más que ...

  1. ¿Qué hace un organizador de eventos? Entrevista a ...
  2. CALENDÁRIO DE EVENTOS THE SIMS FREEPLAY
  3. Herramientas para Big Data de Microsoft - YouTube
  4. DASN SIMEI Extinção? Data do Evento? Será Que Sem Querer ...
  5. #02 - Tipos de eventos que você precisa conhecer - YouTube
  6. 0012 - CRUD Eventos REST Dataware com FDMemTable
  7. ¿Qué hace un Data Scientist? - YouTube
  8. Independencia de eventos - YouTube
  9. O que é Big Data - Conceitos básicos - YouTube

Declaração DASN-SIMEI pede data do evento. Veja neste vídeo porque isso acontece e evite cometer este terrível erro. _____... Conhecer o universo dos eventos é essencial para quem deseja seguir a carreira de organizador de eventos ou para quem ainda está na faculdade, mas precisa or... C# Project For Beginners Step By Step With Source Code - C# Desktop Application Development Tutorial - Duration: 4:11:59. tech fort 19,181 views En esta charla vemos que es Big Data, el papel del científico de datos y las herramientas Open Source y de Microsoft para Big Data. Ing. Eduardo Castro, PhD ... Data de Eventos É novo(a) no canal? seja bem vindo(a) ♡ •deixem o like ♡ ♡ •inscrevam-se ♡ ♡ •Instagram camillasimmer14 ♡ ♡•Gravador de tela: próprio do celular Mi9 Lite ... ¿Qué hace un organizador de eventos? Entrevista a wedding planner Si has pensado en dedicarte a organizar eventos y bodas, tienes que ver este video y cono... Un data scientist es el encargado en una organización que busca encontrar verdades a través del análisis masivo de datos para poder guiar al equipo en la tom... En este video se explica la definición de eventos independientes y la forma para calcular probabilidades que asocian eventos independientes. O que é Big Data Neste vídeo vamos apresentar o conceito de Big Data, explicando suas aplicações, características e importância tecnológica. Contribua com a ...